Derrotado pela Argentina em amistoso, time de Mano Menezes foi superado pela Alemanha no último ranking da Fifa de 2010

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=esporte%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237882718984&_c_=MiGComponente_C

O Brasil encerrou o ano como a quarta melhor seleção do mundo. No último ranking da Fifa de 2010, divulgado nesta quarta-feira, o país voltou a ser superado pela Alemanha, que ocupa a terceira posição. Sob o comando de Dunga, a equipe abriu a temporada no segundo lugar e chegou ao topo antes da Copa do Mundo, mas caiu graças à fraca campanha na África do Sul. Campeã e vice mundiais, respectivamente, Espanha e Holanda seguem liderando a lista.

Pesou para a queda dos brasileiros a derrota por 1 a 0 para Argentina, em amistoso realizado no Catar em novembro. Foi o primeiro tropeço de Mano Menezes à frente do time nacional, que deixou o Brasil com 1.446 pontos, 39 a menos que os alemães que empataram por 0 a 0 com a Suécia no mês passado. Os argentinos mantiveram a quinta colocação.

AFP
Mano cumprimenta técnico argentino: derrota em amistoso custou posição no ranking

Campeã do Mundial sul-africano, a Espanha segue soberana. Nem a goleada por 4 a 0 sofrida para Portugal ameaçou sua liderança. Este é o terceiro ano seguido que os espanhóis terminam o ano no topo do ranking da Fifa. Com 1.887 pontos, o país está 164 à frente da Holanda, que bateu a Turquia por 1 a 0 em novembro.

Inglaterra, Uruguai e Portugual completam o grupo das 10 melhores seleções ao lado de Egito, que ganhou uma posição e subiu para nono, e Croácia, que caiu para a décima posição.

Para italianos e franceses, 2010 é um ano para se esquecer. Ambos os países fizeram feio na Copa do Mundo e isso se refletiu no ranking da Fifa. Após começar o ano na quarta colocação, a Itália terminou no 14º lugar. Já a França, que estava em sétima no início do ano, chegou a ocupar o 27º posto, mas se recuperou e acabou como 18º melhor time do mundo.

A lista divulgada pela Fifa considera todos os resultados das seleções nacionais nos últimos quatro anos, com mais relevância para os mais recentes.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.