Tamanho do texto

Herói do Fla-Flu, argentino explica que em seu país o meia participa mais do jogo e aqui fica perdido

Bottinelli se prepara para dominar a bola no treino
Alexandre Vidal/Fla Imagem
Bottinelli se prepara para dominar a bola no treino
Autor de dois gols na vitória por 3 a 2 sobre o Fluminense , Bottinelli ainda não completou um ano no Brasil, mas se sente em casa, mesmo sem conseguir se firmar como titular do Flamengo . Consciente da dificuldade para encontrar um lugar no time, faz uma análise tática do futebol brasileiro para explicar a demora da maioria dos jogadores argentinos para se adaptar completamente e começar a fazer sucesso, como aconteceu com Conca, em suas passagens por Vasco e Fluminense.

Veja a classificação do Campeonato Brasileiro

O estilo jogado na Argentina favorece o nascimento de armadores no meio-campo, um jogador em extinção no Brasil. Bottinelli se diz mais acostumado a jogar de outra forma e que está se adaptando ao jeito brasileiro de jogar futebol, com muito mais participação dos laterais e atacantes que atuam pelos lados do campo.

Veja também: Brasileirão tem ascensão de Fla, Corinthians e Inter na reta final

“No futebol brasileiro, você joga sempre com os laterais e o meia fica um pouco perdido no campo. Sou um meia mais criador, estou acostumado a ficar mais com a bola nos pés”, comentou Bottinelli, que também falou sobre a maratona de jogos no Brasil. “Aqui se joga domingo e quarta-feira, sábado e quinta-feira”.

Thiago Neves elogiou o argentino, com quem conversou antes da cobrança de falta marcante no Fla-Flu de domingo, pelo Campeonato Brasileiro. Com Bottinelli em campo, ele diz se sentir mais à vontade, até mesmo mais participativo, e faz propaganda do jogador para o técnico Vanderlei Luxemburgo .

“Todo mundo aqui sabe a qualidade que ele tem. Com o Bottinelli em campo, recebo mais vezes a bola e fico mais dentro do jogo. Claro que gostaria de ter ele no time, mas isso quem decide é o Luxemburgo, que tem feito as escolhas corretas”, comentou Thiago Neves.

Bottinelli tem um relacionamento mais próximo com os chilenos Maldonado e Fierro , afinal, fez muito sucesso na Universidad Católica e os dois ajudaram muito na sua adaptação. Ainda assim, faz elogios aos jogadores brasileiros, que não demonstram qualquer tipo de rejeição aos estrangeiros.

"Os brasileiros recebem muito bem os gringos. O jogador brasileiro está sempre alegre, mesmo com muitos jogos e muita concentração", brincou Bottinelli, de 24 anos, que, mesmo na reserva , se sente importante no grupo. “Sabemos que o Flamengo não é só o Ronaldinho Gaúcho , o Thiago e o Felipe . O Paulo Victor entrou bem ontem. Todos são importantes. Para vencer o campeonato, temos 30 jogadores”, emendou.

O Flamengo enfrenta o Palmeiras , quarta-feira, às 21h50, no Engenhão, pela 29 a rodada do Campeonato Brasileiro. O time está na quarta colocação, com 47 pontos, quatro atrás do líder Corinthians . Bottinelli deve continuar na reserva nesse jogo.

Entre para a Torcida Virtual de Fla e opine sobre Bottinelli