Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Borges nega problemas internos e promete volta por cima no Grêmio

Centroavante não gostou das declarações feitas por Renato Gaúcho após o Gre-Nal

Hector Werlang, iG Porto Alegre |

Bastou ser expulso contra o Universidad Católica e perder um pênalti no Gre-Nal para Borges ser responsabilizado pelo mau momento do Grêmio. Nesta segunda-feira, o centroavante fez questão de se manifestar. Negou ter problemas internos, prometeu ficar e dar a volta por cima no clube gaúcho e reclamou das declarações de Renato Gaúcho feitas após o clássico.

Ainda no Beira-Rio, o treinador, perguntado sobre Borges, havia dito que "o problema interno seria resolvido com a direção". Tal manifestação gerou a especulação que o atacante poderia deixar o Grêmio.

"Não ouvi esta declaração, ela me estranha muito. Nunca cheguei atrasado a treino ou havia sido expulso. Aconteceu comigo, mas não me escondo. Estou daqui dando a cara para bater. Todos me respeitam no clube e nunca tive problemas com o Renato, que deve responder a esta pergunta. Não estou com os dias contados aqui, mas no dia em que achar que estou atrapalhando, pedirei para ir embora", explicou o centroavante que tem contrato até 31 de dezembro.

Diretor de futebol, Antônio Vicente Martins disse que não há o que debater sobre o futuro do atleta. Borges também rejeitou as insinuações de que teria perdido o pênalti "de propósito":

"Isso é um absurdo, respeito muito o Grêmio. Tinha convertido outros, ontem (domingo) errei, mas o Grêmio não foi o único a perder nos pênaltis no domingo. O Vasco perdeu, o Palmeiras perdeu. Nos treinos eu cobro nos dois lados, porque os últimos dois eu bati no lado contrário, e os goleiros hoje estudam muito os batedores. Sábado eu treinei cobranças nos dois lados porque o treino era aberto e poderia ter alguém do Inter observando. Peguei muito embaixo da bola e ela saiu...".

Segundo Borges, as críticas são uma tentativa de se encontrar um vilão no Grêmio:

"Quando fiz o gol do título ano passado não fui o melhor jogador do Brasil. Quando dei a assistência para o Rafael Marques no título do primeiro turno ninguém falou nada. Futebol é assim. David Villa ficou 11 jogos sem marcar no Barcelona, e aí? Imagina se fosse no Brasil".

Leia tudo sobre: grêmioborgesrenato gaúcho

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG