Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Blatter revela contatos entre candidatura Ibérica e Catar

Presidente defendeu Fifa de acusações de trocas de votos, mas admitiu que escolher duas sedes ao mesmo tempo foi errado

EFE |

O presidente da Fifa (Federação Internacional de Futebol e Associados), Joseph Blatter, revelou que houve diversas conversas entre representantes da candidatura conjunta de Portugal e Espanha, para receber a Copa do Mundo de 2018, e a do Catar, que acabou recebendo o direito de sediar o evento em 2022.

Segundo Blatter, as duas candidaturas manejaram um pacote de votos na eleição realizada em dezembro do ano passado, mas, nas palavras do dirigente, "foi uma bobagem, não funcionou para nenhuma das duas partes".

Blatter deu essas declarações em uma entrevista à "BBC" dois meses depois da escolha das sedes dos Mundiais de 2018 e de 2022, que serão organizados por Rússia e Catar, respectivamente, e após a investigação do Comitê de Ética da Fifa sobre a integridade de algumas candidaturas no procedimento.

O Comitê de Ética havia anunciado em 18 de novembro que não havia encontrado provas que demonstrassem que a candidatura de Espanha e Portugal e a do Catar se envolveram em casos de corrupção para obter o direito de sediar a Copa, mas suspendeu dois membros do Comitê Executivo, o nigeriano Amos Adamu, por três anos, e o francês Reynald Temarii.

Ambos foram procurados por um jornalista britânico, que se passou por empresário dos Estados Unidos, e se dispuseram a trocar votos por dinheiro.

Blatter aproveitou a entrevista para defender a Fifa das acusações de trocas de votos, mas admitiu que escolher duas sedes ao mesmo tempo foi um erro que, garantiu, não se repetirá.

O presidente negou as acusações de "manobras obscuras" feitas por alguns políticos, entre eles o primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, depois que algumas candidaturas, como a da Inglaterra, se viram derrotadas.

"Não gosto do termo 'obscuras' nesse contexto. Será que sempre houve transparência nas votações e eleições realizadas no mundo? Não dá para saber quem ganhará antes do final", justificou.

"Entendo que os que perderam não estejam contentes. Se a Inglaterra tivesse superado a primeira rodada, tenho certeza de que teria obtido mais votos na segunda", acrescentou.

Leia tudo sobre: Futebol MundialPortugalEspanhaCatarFifa

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG