Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Biometria de face pode ser usada em estádios da Copa 2014

Software empregado em aeroportos para identificar terroristas pode servir para barrar 'hooligans' e criminosos

Raphael Gomide, iG Rio de Janeiro |

Raphael Gomide
Alexandre Nakamura, responsável por projetos da NEC no Brasil
Uma tecnologia já usada para identificar terroristas e criminosos em aeroportos pelo mundo pode chegar aos estádios brasileiros que estão sendo construídos para a Copa do Mundo de 2014. Um software que reconhece, por biometria, rostos de  potenciais ameaças é um dos produtos de tecnologia disponíveis para os estádios inteligentes na Soccerex, feira de negócios de futebol, no Rio.

Veja também: Provável cargo de Ronaldo terá perfil mais festivo do que técnico

O equipamento da japonesa NEC pode ser usado para impedir que torcedores violentos, como os hooligans ingleses, entrem nos estádios durante a Copa. Para isso, é necessário o cadastro digital de uma “lista negra”, com as fotos dos torcedores vetados pela Justiça.

A partir de um cálculo da distância entre os olhos, nariz, orelha dos rostos, o equipamento usa a geometria para identificar a face das pessoas do banco de dados na multidão e as aponta aos responsáveis pela segurança.

“Esse aplicativo tem inúmeras utilidades e pode ser usado nos estádios, potenciais clientes. Ele ‘lê’ a geometria da face das pessoas e é capaz de determinar, com boa precisão, se aquela é a pessoa indesejada”, disse o representante de projetos especiais da empresa no Brasil, Alexandre Nakamura. Segundo ele, o estádio de Recife é um potencial cliente.

Uma tela aponta o grau de precisão do equipamento, dependendo do momento em que a imagem é capturada. Na amostragem do evento, o aparelho identificou alguns cadastrados, com eficiência que variou de 32% a 58%.

Leia ainda: Além de futebol, feira tem totó, goleiro robô e arte

“Quanto melhor é a resolução da imagem maior é a precisão. O aparelho identifica o rosto mesmo quando há pequenas modificações, como o uso de chapéu e barba, por exemplo”, afirmou Nakamura.

De acordo com ele, as polícias se interessam frequentemente pelo software, em especial para tentar identificar ladrões de bancos, e pessoas que fazem “saidinha” de banco. “O problema é que as imagens que eles têm, na maioria dos casos, são de baixa resolução, e com iluminação ruim. Isso influencia negativamente a identificação. As câmeras precisam ter certa resolução”, explica.

Por outro lado, muitos bancos também são clientes de olho nos clientes “VIP”. É a chamada “lista branca” – em oposição à “lista negra”. “Os bancos têm interesse em agradar o cliente VIP e lhe proporcionar atendimento especial, desde o momento em que entra no estabelecimento”, disse Nakamura.

Leia tudo sobre: Copa 2014FifaCBF

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG