Tamanho do texto

Ex-técnico disse ser um sonho assumir seleção, mas porta-voz da AFA declarou que ele não tem o perfil que a entidade busca

Carlos Bianchi foi um dos mais vitoriosos técnicos da Argentina
Getty Images
Carlos Bianchi foi um dos mais vitoriosos técnicos da Argentina
A AFA (Associação de Futebol da Argentina) ainda não definiu quem substituirá Sergio Batista no comando da seleção argentina. Gerardo Martino (atualmente no Paraguai), Alejandro Sabella (ex-Estudiantes) e Louis Van Gaal (ex-Bayern de Munique) são alguns nomes analisados, mas nenhuma negociação foi iniciada. Diante deste cenário de incertezas, Carlos Bianchi resolveu se candidatar para a vaga.

Conhecido, principalmente, pelos quatro títulos de Libertadores que conquistou - um como técnico do Vélez Sarsfield, em 1994, e três no comando do Boca Juniors, em 2000, 2001 e 2003 -, Bianchi está aposentado da carreira de treinador desde 2006, quando deixou o Atlético de Madri. Mas, pela seleção nacional, o argentino estaria disposto a abrir mão da sua aposentadoria.

"Eu tenho experiência suficiente para ser técnico da seleção. Não entrei em contato com a AFA ainda, mas meu desejo de ser técnico da Argentina é sempre muito grande", disse ao diário Olé , antes de fazer um pedido. "Só peço o direito de trabalhar com gente de minha confiança".

Apesar da disposição, Bianchi, que recentemente chegou a ser especulado no São Paulo e no Internacional, não deve ser o técnico da seleção. O porta-voz da AFA, Ernesto Cherquis Balo, declarou que ele não tem o perfil que a entidade busca e que a procura pelo novo treinador segue sem pressa.

O fracasso na Copa América, também fez Riquelme manifestar seu desejo de retornar à seleção. "Se precisarem de mim para as eliminatórias, voltarei. Caso contrário, a Argentina tem grandes jogadores", declarou o meia do Boca Juniors, que não veste a camisa da seleção desde 2009, quando rompeu ligações com o então treinador Maradona.