Frizzo diz que clube tem 15% dos direitos, e Belluzzo rebate. Contrato obtido pelo iG mostra transação de 2009

Cada vez mais a preocupação do gerente de futebol do Palmeiras , César Sampaio, pela saída dos funcionários que o auxiliavam nas burocracias se justifica. A nova polêmica desta vez é de quantos % o clube tem dos direitos federativos do volante Pierre . Enquanto o vice de futebol, Roberto Frizzo, afirma que a quantia é de 15%, os dirigentes da gestão passada afirmam com veemência que é de 100%. Os dias passam, 2012 se aproxima, e fica claro que o presidente Arnaldo Tirone não tinha um planejamento para substituir todos os demitidos.

Relembre: César Sampaio mostra preocupação com saídas de Sérgio do Prado e André Sica

O iG teve acesso a um documento que comprova que Pierre teve, sim, os seus direitos federativos adquiridos na totalidade pelo Palmeiras em 2009. O clube pagou cerca de R$ 4,5 milhões para evitar que o volante fosse parar no futebol espanhol. A proposta era do Espanyol, de Barcelona, que ofereceu 1,9 milhão de euros em julho de 2009 por 80% do então camisa 5.

“Você acha que eu faria uma coletiva de imprensa com o J. Hawilla (dono da Traffic) para anunciar que o Pierre ficaria e estaria mentindo? Eu gastei mais de R$ 4 milhões para ele ficar, comprei 100% dos direitos dele. Na época ainda compramos o Danilo, o Cleiton Xavier, o Diego Souza e o Maurício Ramos. O Frizzo deve estar falando algo que não tem conhecimento”, esbravejou o ex-presidente Luiz Gonzaga Belluzzo, responsável pelas aquisições muito comemoradas pela torcida palmeirense na época.

Siga o Twitter do iG Palmeiras e receba as notícias do seu time em tempo real

A reprodução abaixo mostra como era os direitos antes da compra feita pelo Palmeiras. No item 1.1 do subtítulo "Objeto", fica claro que as outras partes fazem a "cessão definitiva" ao clube.

Contrato mostra que Palmeiras passou a ter 100% dos direitos de Pierre
Reprodução/Exclusivo iG
Contrato mostra que Palmeiras passou a ter 100% dos direitos de Pierre

Segundo o documento a que o iG teve acesso, o contrato entre Traffic e Palmeiras previa que o clube paulista era obrigado a liberar o atleta caso recebesse uma proposta igual ou superior a 1,5 milhão de euros. O time, no entanto, tinha o direito de igualar a proposta caso houvesse o interesse em manter o volante. Foi o que aconteceu. Na ocasião, o Palmeiras tinha 25% dos direitos, enquanto que os outros 75% eram divididos em três partes. Com a transação, o Palmeiras passou a te 100%.

“Eu tenho certeza que temos 100%. E enquanto eu estive lá, ninguém me comunicou que havia vendido. E é quase impossível que isso tenha acontecido sem que eu tenha percebido”, disse Belluzzo.

Leia mais: Palmeiras se enrola com planos de 2012 dentro e fora de campo

Na época da saída da Traffic, o Palmeiras fez um acordo para saldar uma dívida de mais de R$ 11 milhões. Os pagamentos foram parcelados em várias vezes, sendo que o primeiro foi feito no dia 14 de janeiro de 2011, ainda na gestão Belluzzo. O segundo seria feito um mês depois e outras parcelas de pouco mais de R$ 500 mil até fevereiro de 2012.

Sem espaço no Palmeiras, Pierre quer ficar no Atlético-MG
Victor Martins
Sem espaço no Palmeiras, Pierre quer ficar no Atlético-MG


Segundo o iG apurou, todas as parcelas após o primeiro pagamento estão atrasadas, com juros sendo acumulados. Com isso, a empresa poderia requisitar a aquisição dos direitos de Pierre como forma de multa. Isso, no entanto, ainda não aconteceu. A punição está descrita no item 3.6 do contrato.

Toda a polêmica sobre quantos % o Palmeiras tem começou com uma entrevista de Roberto Frizzo à “Rádio Jovem Pan”. O dirigente afirmou que um “bumba-meu-boi” foi feito para comemorar a aquisição do volante, mas que documentos que lhe foram entregues diziam que o clube tinha apenas 15%. O que torna o caso ainda mais estranho é que foram abertas negociações pelo volante com o Atlético-MG, mesmo com toda essa confusão.

Veja ainda: César Sampaio diz que Edson Silva já acertou com outro time

Ao iG , Roberto Frizzo afirmou que abriu uma pequena investigação sobre todas as movimentações dos direitos federativos de Pierre para entender o que aconteceu. Assim, ele poderá dar um diagnóstico preciso para o problema.

Roberto Frizzo diz que documentos mostram que apenas 15% de Pierre são do Palmeiras
AE
Roberto Frizzo diz que documentos mostram que apenas 15% de Pierre são do Palmeiras

“O que me passaram é que eu tenho 15%. Não sei o que o Belluzzo te falou, mas eu vi o documento de 15%. Eu tive vontade de eu mesmo ir lá na pasta dos documentos do Pierre e checar, mas tem a grossura de um palmo e ia me tomar um tempo tremendo. Por isso, pedi aos funcionários que fizessem essa análise para mim. Nos próximos dias, vou poder saber o que realmente aconteceu”, disse o vice-presidente.

Relembre: Palmeiras atrasa pagamentos, e multa por Ewerthon cresce 100%

“Sob a minha gestão, não foi feita nenhuma negociação com os direitos de Pierre. Então se o Palmeiras não tiver os 100%, essa responsabilidade não pode ser nossa.

O iG ainda tentou contato com o advogado do clube na época, André Sica, que disse não ter mais relação com o Palmeiras e quer evitar comentar assuntos de seu ex-clube. O ex-gerente administrativo, Sérgio do Prado, não foi localizado. Arnaldo Tirone segue sem atender os telefonemas dados desde a sexta-feira passada, quando foi procurado para esclarecer o “Caso Ewerthon” . Pierre também não foi localizado, já que seu celular estava desligado ou fora da área de serviço.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.