Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Base mantida marca fim de troca-troca no Grêmio

Pela primeira vez desde 2006, equipe gaúcha não precisará contratar aos montes

Hector Werlang, iG Porto Alegre |

Era uma rotina. Saia ano ou entrava ano e lá ia a direção do Grêmio contratar aos montes e formar um novo time a cada temporada. Em algumas delas, aliás, o primeiro semestre tinha uma equipe e o segundo, outra completamente diferente.

A realidade na passagem de 2010 para 2011, porém, é diferente. Pela primeira vez, desde 2006, ano do regresso à Série A do Brasileirão, o time gaúcho tem uma base titular e outra reserva. Até este sábado, por exemplo, apenas três atleta da equipe que terminou o Nacional em quarto lugar não tem presença garantida nas competições que se iniciam em janeiro – Fábio Santos, Lúcio e André Lima ainda negociam a renovação de contrato.

“Isto é fundamental. Quem começa do zero sai perdendo”, resumiu o técnico Renato Gaúcho ao projetar o novo ano.

Seja por problemas financeiras ou erros de planejamento, o Grêmio foi um dos últimos clubes a se adaptar à Lei Pelé. O ápice desta dificuldade aconteceu em 2001, quando Ronaldinho foi contratado de graça pelo PSG – o clube francês pagou indenização após um acordo com intermediação da Fifa. Fim do passe e contratos longos, então, demoraram a virar realidade nas bandas do Olímpico.

Nesta lógica, sempre na comparação com o ano anterior, o Grêmio teve a seguinte quantidade de trocas de jogadores: 11 (2005), nove (2006), sete (2007), dez (2008), sete (2009) e seis (2010).

“Quando se contrata muita gente, maior a chance de erro”, explicou Luiz Onofre Meira, diretor de futebol do segundo semestre de 2008 ao primeiro de 2010 e responsável pela formação desta base.

Evitando isto, o clube pode direcionar suas forças a negócios específicos ou investir num grande jogador. Até porque, com erros nas contratações, o clube tem sobreposição de atletas, carência em alguns setores, vai as compras e gasta mais do que o mercado normalmente cobraria, ou seja, tem prejuízo técnico e financeiro. Realidade que parece ser passado no Grêmio.

Leia tudo sobre: GrêmioCampeonato Brasileirocontratações

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG