Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Ausentes em 2006, Sóbis e Bolívar festejam segunda chance

Campeões da Libertadores há quatro anos, os dois foram vendidos e não foram campeões no Japão. Agora têm nova oportunidade de conquistar o título

Marcel Rizzo, enviado iG a Abu Dhabi |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=esporte%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237882601350&_c_=MiGComponente_C

Para dois jogadores do Internacional, a partida contra o Mazembe, na tarde desta terça-feira (14h de Brasília), pela semifinal do Mundial de Clubes, é mais especial do que para o restante do elenco. Bolívar e Rafael Sóbis foram campeões da Libertadores em 2006 com o Internacional, mas foram negociados logo depois e não participaram da conquista mundial no Japão, em dezembro do mesmo ano. Desta vez ambos venceram novamente a competição sul-americana e permaneceram para o torneio que está sendo disputado em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos.

Eu estava na França e vendo o Inter ser campeão. Pensava que poderia estar lá. Fiquei realmente muito triste por não poder ser campeão naquela ocasião, mas agora vamos ver se recupero levantando a taça, disse Bolívar, 29 anos, e capitão da equipe ¿ em caso de título, será o homem responsável por erguer o troféu.

Inter disputa semifinal do Mundial de clubes

Bolívar foi vendido ao Monaco, da França, em 2006. Na verdade na decisão da Libertadores daquele ano, contra o São Paulo, já estava negociado. Em 2008 o Inter o resgatou no futebol europeu, por empréstimo, e em 2009 o comprou novamente.

A situação de Sóbis é bem parecida. Em agosto de 2006 foi negociado com o Real Betis, da Espanha, Não participou do Mundial depois de ser decisivo nas finais da Libertadores contra o São Paulo: marcou os dois na vitória por 2 a 1 no Morumbi, no primeiro jogo da decisão, que encaminhou bastante a conquista. Na volta o 2 a 2 no Beira-Rio garantiu a taça. 

Vipcomm
Bolívar participa de coletiva em Abu Dhabi ao lado de Celso Roth e do cobiçado troféu

Gosto que os torcedores falam que sou jogador de gols decisivos porque lembram dessa decisão da Libertadores. Gostaria muito de ter jogado aquele mundial, mas quatro anos depois tenho essa chance novamente. Não sei se vou marcar gols decisivos novamente, mas o torcedor pode esperar empenho, disse Sóbis, 25 anos, que pertence ao atualmente ao Al Jazira, time dos EAU treinado por Abel Braga (que comandava o Inter em 2006). O estádio Mohammed Bin Zayed, palco da estreia, é o estádio do clube que Sóbis pertence.

Conheço bem. O gramado está bom, até melhor do que no campeonato. Vamos ter tranqüilidade para jogar, disse.
No meio do ano que vem, Sóbis terá que retornar ao Al Jazira. Bolívar recebeu proposta para jogar no Al-Wahda, também dos EAU, clube que  já foi eliminado deste Mundial de Clubes.Talvez essa seja a última chance de ambos ganharem um Mundial de Clubes.

Leia tudo sobre: futebolinternacionalmundial de clubes

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG