Tamanho do texto

Empresário do jogador e Andrés Sanchez não se entendem e atacante não deve renovar com o Corinthians

Está cada vez mais complicada a situação de Jorge Henrique no Corinthians. Afastado do time para tratar de uma lesão que o tira dos próximos jogos do time , o atacante ainda assiste a um embate entre o seu procurador, Roberto Gomes, e o presidente Andrés Sanchez, que não se entendem sobre a renovação do contrato do jogador com o clube. Seu vínculo atual se encerra no final do ano.

Jorge Henrique tem contrato com o Corinthians até o fim do ano
Futura Press
Jorge Henrique tem contrato com o Corinthians até o fim do ano

Como informou o iG em 24 de maio , Jorge Henrique pede o dobro do seu salário atual para ter seu contrato renovado. Jorge quer mais de R$ 300 mil mensais entre luvas e salários. Hoje, o jogador tem vencimentos inferiores a R$ 150 mil.

Siga o iG Corinthians no Twitter

Segundo Andrés Sanchez, o jogador precisa diminuir sua pedida, já para o empresário do atleta, que emitiu nota oficial nesta quinta-feira, "o lado financeiro pesa muito", por conta do interesse de outros clubes no atleta. Em julho, caso Jorge Henrique e Corinthians não cheguem a um acordo, o jogador poderá assinar um pré-contrato com qualquer clube, podendo defendê-lo a partir de janeiro. O Internacional já manifestou interesse no jogador e aguarda o desfecho das negociações entre Corinthians e Jorge Henrique para apresentar um contrato ao jogador.

“O Jorge tem 29 anos e o lado financeiro pesa muito neste momento, ainda mais que outros clubes brasileiros estão interessados no futebol dele. Se existe essa valorização de fora, é natural que o jogador crie uma expectativa de ser valorizado no próprio clube que defende. Garanto que o valor pedido pelo Jorge é absolutamente compatível com o mercado nacional”, garantiu Roberto Gomes em nota.

Entre na torcida virtual do Corinthians e convide seus amigos

Sanchez, em entrevista à "rádio Transamérica", ironizou a situação. "Eu não posso pagar o que ele está pedindo, porque eu tenho mais 12 jogadores do nível dele, e não posso pagar o que ele quer. Além disso, ele quer três anos (de contrato), nós queremos dois", disse Andrés, que informa a diferença entre o que quer o jogador e o que o clube oferece. "Apenas 100%, é coisa pouca".

Segundo o empresário de Jorge, o seu cliente está no direito de pedir os valores que apresentou ao Corinthians. “Sobre os dois milhões em luvas que tem saído na imprensa, pedimos ao Corinthians menos da metade deste valor. Sobre tempo de contrato e salários, como o Jorge Henrique está longe de ser um dos principais salários do clube, alguns clubes brasileiros estão oferecendo bem mais, assim como as luvas, e o Corinthians sabe disso. Aí, é uma questão de o Corinthians ter ou não interesse. As propostas estão chegando pois, a partir de julho, o jogador pode assinar um pré-contrato com outro clube”, disse Gomes.

“O Jorge (Henrique) não é nenhum mercenário, como está sendo colocado. Estamos em divergência, é verdade, sobre tempo do novo contrato, valores e luvas, mas tudo muito diferente do que tem sido ventilado”, diz Gomes.

Corinthians, Roberto Gomes e Jorge Henrique têm reunião marcada para esta sexta-feira. "Ele (Jorge Henrique) fez uma proposta e nós fizemos uma contraproposta. Da próxima vez que tiver reunião, eu quero estar presente. Se não renovar, que vá ser feliz em outro lugar", disse Andrés.