Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Atlético-MG teve sequência ruim quando perdeu o último artilheiro

Clube mineiro ficou cinco anos sem ter um goleador entre a saída de Guilherme e a chegada de Tardelli

Victor Martins, iG Belo Horizonte* |

Além de lamentar a saída do ídolo Diego Tardelli, a torcida do Atlético-MG tem motivo para ficar preocupada quanto ao novo dono da camisa 9. Isso porque o clube passou um jejum de cinco anos sem ter um artilheiro sequer. Depois que Guilherme, agora técnico do Ipatinga, deixou o time, foram cinco anos sem ter o principal goleador de qualquer competição.

Poucos clubes no Brasil tiveram tantos artilheiros como teve o Atlético-MG. Só de Campeonato Mineiro foram 36 vezes, além de seis no Campeonato Brasileiro e duas na Copa do Brasil. Diego Tardelli ainda foi artilheiro do futebol brasileiro em 2009, com 42 gols durante a temporada.

Acostumada com artilheiros, a torcida do Atlético-MG teme viver mais uma longa fase sem ter um goleador. Entre o Campeonato Mineiro de 2003, com Guilherme artilheiro, e o Estadual de 2009, vez de Diego Tardelli, nenhum atleticano chegou ao primeiro lugar no número de gols marcados. Marinho, Roni e Alex Mineiro foram alguns atacantes que passaram pelo clube nesse período com muitos gols, mas sem o topo da artilharia.

Com a saída de Diego Tardelli, até que o Atlético-MG contrate um substituto, dois jogadores dentro do próprio elenco se credenciam ao posto deixado pelo então camisa 9. Ricardo Bueno e Magno Alves são os atleticanos que já sentiram o gosto da artilharia. Bueno foi goleador do Campeonato Paulista do ano passado, enquanto Magnata foi goleador do Brasileirão em 2000 e do Campeonato Japonês em 2006.

Experiente, Magno Alves faz elogios ao jogador que saiu, mas garante que ainda ficaram muitos jogadores de qualidade no Atlético-MG. “É uma perda, se falando do Tardelli, em nível de Seleção Brasileira e que nos ajuda muito. É uma perda, mas aqueles que continuarem vão dar o máximo dentro de campo. Importante que quem tem entrado tem feito gols. O ataque está fazendo gols e é isso que a torcida quer ver. Titularidade é consequência daquilo que você faz dentro de campo”.

Mas no primeiro coletivo sem Diego Tardelli, o escolhido por Dorival Júnior foi Ricardo Bueno, e não Magno Alves. Jogador bastante contestado desde a sua chegada ao clube, e maio do ano passado, o ex-atacante do Oeste-SP garante estar melhor preparado em 2011. Até por isso, ele se mostra tranquilo e sabe que ter de superar uma pressão por entrar no lugar do artilheiro.

“Era o nosso ídolo aqui, os torcedores e todo mundo gostava dele. É claro que vai ter uma cobrança muito grande pelo jogador que está saindo. Mas isso é normal, a cobrança seria com qualquer jogador que entrasse. Então tenho que manter a tranquilidade e mostrar o meu trabalho, que tudo vai dar certo”, disse Ricardo Bueno, que esteve perto do Palmeiras, mas foi mantido no Atlético-MG pelo técnico Dorival Júnior.

Artilheiros em 2011

Ataque mais eficiente do futebol brasileiro na temporada, com média superior a três gols por partida, o Atlético-MG perdeu o seu principal goleador. Diego Tardelli já tinha marcado seis gols nas sete partidas da equipe mineira no ano. Agora, o artilheiro atleticano em 2011 é somente Neto Berola, que também já marcou seis gols. Magno Alves aparece em segundo lugar, com quatro gols, enquanto Ricardo Bueno marcou apenas uma vez.

Leia tudo sobre: Atlético-MGDiego TardelliRicardo BuenoMagno Alves

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG