Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Atlético-MG reencontra seu 15º maior goleador no banco do rival

Marcelo Oliveira, técnico do Coritiba, vai enfrentar clube que o revelou pela primeira vez como treinador

Victor Martins, iG Belo Horizonte* |

O jogo deste domingo entre Coritiba e Atlético-MG vai ser especial para o técnico Marcelo Oliveira . Natural de Belo Horizonte e com uma longa história dentro do Atlético-MG, como jogador e também como treinador, essa vai ser a primeira vez que ele vai enfrentar o seu clube de coração no comando técnico de outra equipe. Camisa 10 numa época que o Atlético-MG tinha grandes times, Marcelo Oliveira chegou até a seleção brasileira. Ao todo foram 285 partidas e 104 gols marcados, o que faz de Marcelo o 15º maior goleador da história alvinegra. Ele está na frente de jogadores como Renaldo e Diego Tardelli , que foram artilheiros do Brasileirão com a camisa atleticana.

Siga o iG Atlético-MG no Twitter e receba todas as informações do seu time

Se a história como jogador é longa, foram 14 temporadas, a carreira como treinador ainda não é tão extensa. Foram apenas 53 partidas no comando do Atlético-MG, em seis passagens, sempre como técnico interino. Nos Brasileiros de 2003 e 2008 foram os períodos mais longos. Porém, foi na base, que Marcelo Oliveira ganhou a chance de ser treinador.

Gazeta Press
Marcelo Oliveira, agora técnico do Coritiba, é considerado um dos grandes jogadores que atuaram no Atlético-MG

Entre para a Torcida Virtual do Atlético-MG e convide seus amigos

Com tamanha ligação com o Atlético-MG, não tem como o jogo deste domingo não ser especial para o treinador do Coritiba. Por isso, Marcelo Oliveira não faz questão de esconder o carinho que tem pelo clube mineiro, mas lembra que agora está de outro lado e o empenho para vencer vai ser como se fosse contra qualquer outro adversário.

“Enfrentar o Atlético será especial pelo reencontro com o time que me projetou. Estive presente em uma fase muito gloriosa do clube, onde muitos dos jogadores dos quais eu tive o prazer de atuar ao lado, que estavam também na seleção e conseguiram escrever o seu nome na história do clube. Foi a minha escola no futebol, quando jogador e também no início da carreira de treinador. Agora, apesar do carinho, defendo outras cores, de um time que me recebeu com os braços abertos e me deu a oportunidade de colocar em prática esses conhecimentos que adquiri durante todo esse tempo no futebol. Espero que possamos embalar no campeonato e o jogo contra o Atlético pode ser chave para as nossas pretensões”.

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG