Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Assembleia muda sucessão de vices e acúmulo de cargos

Saída definitiva de um dos cinco vices-regionais obrigará convocação de eleições diretas para a vaga

Renan Rodrigues e Vicente Seda, iG Rio de Janeiro |

Ricardo Teixeira continuou no cargo de presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), mas a assembleia-geral desta quarta-feira, na sede da entidade, na zona Oeste do Rio de Janeiro, alterou alguns pontos no estatuto da entidade máxima do futebol. Apesar dos poderes ao mandatário continuarem os mesmos, a eventual saída de um vice-presidente regional terá novidades.

Leia mais:
Ricardo Teixeira segue à frente da CBF e não muda sucessão

Renan Rodrigues/iG
Integrantes da Frente Nacional dos Torcedores pedem saída de Ricardo Teixeira da CBF

Até esta quarta-feira, o estatuto não especificava como seria suprida a vacância definitiva de um vice. Agora, caso um dos cinco representantes deixe o cargo, a vaga será preenchida por eleições diretas, das quais participam as federações e clubes da região. O vice será eleito pelos estados correspondentes a sua região.

Deixe o seu recado e comente esta notícia com outros torcedores

Atualmente, os vice-presidentes são José Maria Marín (Sudeste), Fábio Marcel Nogueira (Sul), Fernando Sarney (Norte), Marcos Antônio de Miranda Ferreira (Nordeste) e Weber Magalhães (Centro-Oeste). Em caso de afastamento temporário, Ricardo Teixeira pode escolher qualquer um deles para assumir seu lugar. Se o afastamento for definitivo, José Maria Marín assume a presidência na CBF.

Confira ainda: Votação de destaques da Lei da Copa é adiada mais uma vez

Outra mudança realizada nesta quarta-feira está na proibição da CBF em contribuir com entidades sociais e em campanhas eleitorais. Também houve mudança no conselho técnico do futebol brasileiro. Agora, o conselho será formado apenas por clubes da respectiva divisão. Por exemplo, o conselho da série A será formado somente por clubes da série A. Apesar de simples, a questão não era contemplada no estatuto.

E mais: Polícia investiga depósitos de R$ 80 mil na conta de Ricardo Teixeira

Por fim, o exercício de cargos simultâneos na CBF passa a ser autorizado. Um diretor pode acumular duas funções desde que o prazo não ultrapasse 180 dias. Para o presidente da Federação do Rio de Janeiro, Rubens Lopes, não existe discussão sobre a saída de Teixeira.

“Por unanimidade, houve apoio total e irrestrito para que continue seu mandato. Não se cogitou em nenhum momento da reunião a saída do presidente, isso não foi questionado por nenhum participante nem por ele. Continua com o aval de todos seus representados”, encerrou Lopes, único dos representantes das federações a se pronunciar.

Leia tudo sobre: cbfricardo teixeira

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG