Meia do São Paulo volta a reclamar das faltas recebidas nos jogos e tem receio de sofrer alguma lesão mais grave

selo

Um mês depois de desabafar publicamente a irritação com críticas ao seu excesso de individualismo, Lucas está apanhando como nunca dos zagueiros adversários. Para o garoto, não há sinal mais claro de que a boa fase voltou. Decisivo na série de nove vitórias do São Paulo , ele garante que não se preocupa mais com as desconfianças que, volta e meia, ainda pairam sobre seu futebol.

Leia mais: Com Luis Fabiano, São Paulo encara o "mais perigoso do interior"

Lucas afirma que a arbitragem não protege os jogadores no Brasil
Gazeta Press
Lucas afirma que a arbitragem não protege os jogadores no Brasil
"Críticas vão haver sempre. Não busco provar nada para ninguém, mas para mim mesmo. Sei que tenho capacidade e tenho que provar a cada dia. Procuro deixar os problemas fora de campo, levo como motivação, não posso deixar atrapalhar", afirma o meia-atacante de 19 anos.

Deixe o seu recado e comente esta notícia com outros torcedores

Em boa fase, Lucas não esconde a preocupação de ser alvo constante de faltas, embora admita que "apanhava" mais nas categorias de base. "Às vezes era até pior na base. O jogo lá era mais corrido e não tinha tanta disciplina tática. Além disso, não havia tanta câmera em campo, tinha menos gente olhando. Acabava apanhando mais. Mas, em contrapartida, no profissional a força é maior e a chance de acabar me machucando também é".

Confira ainda: Jadson vira líder de assistências e comemora evolução

Diante do risco de sofrer lesão mais grave, Lucas pede proteção aos árbitros. "A arbitragem não protege tanto a gente. Isto não é um apelo, mas tem que proteger quando houver falta, independentemente se for um jogador habilidoso ou um zagueiro mais forte. Tem de proteger a justiça dentro do campo. Às vezes eles esquecem que eu e o Neymar, por exemplo, vamos cair porque nosso porte físico é menor que dos zagueiros e volantes. Acham que estamos simulando ou nos jogando. Acho que falta um pouco essa consciência", defende-se.

E mais:
Leão garante que não dá prioridade a Fabrício na briga por vaga

Por essa razão, o meia do São Paulo reconhece que teme ficar marcado pelos árbitros. "Procuro sempre ficar de pé e seguir no lance para tentar finalizar ao gol. Acho que por isso não tenho fama de 'cai-cai'. Procuro fazer bastante academia para segurar mais o tranco e ficar de pé nas jogadas", afirma.

Entre para a torcida virtual do São Paulo:

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.