Seis jogadores nascidos no Brasil jogam no time do Chipre, a principal zebra na atual edição da Champions League

Marcinho, William Boaventura, Marcelo Oliveira, Kaká e Aílton, cinco dos seis brasileiros do APOEL
AFP
Marcinho, William Boaventura, Marcelo Oliveira, Kaká e Aílton, cinco dos seis brasileiros do APOEL

Quando a fase de grupos da Liga dos Campeões começou, qualquer análise feita sobre a chave G não indicaria o Athletikos Podosferikos Omilos Ellinon Lefkosias, ou simplesmente  APOEL , como um dos possíveis classificados às oitavas de final da competição. Porém, o inexpressivo time do Chipre foi além, se superou e deixou para trás os favoritos Porto, Shakhtar e Zenit, ficando na primeira colocação e chegando ao mata-mata - o Zenit ficou em 2º.

LEIA TAMBÉM: APOEL elimina o Lyon nos pênaltis e avança às quartas de final da Liga

Manduca comemora gol sobre o Lyon
AFP
Manduca comemora gol sobre o Lyon
Na etapa seguinte, os cipriotas tiveram pela frente o Lyon, da França. Na primeira partida, há duas semanas, derrota por 1 a 0 fora de casa . Nesta quarta-feira, jogando na cidade de Strovolos, em Nicósia, no Chipre, o APOEL voltou a surpreender e eliminou o time francês nos pênaltis , depois de vencer também por 1 a 0 no tempo normal, gol do brasileiro Gustavo Manduca.

Veja os jogos do mata-mata da Champions

Chegar às oitavas já tinha sido um feito inédito para uma equipe do Chipre. Nunca antes um time do pequeno país europeu havia passado da fase de grupos. Agora nas quartas, o APOEL pretende continuar pregando peças nos adversários.

O Chipre, aliás, que nunca teve qualquer tradição no cenário mundial do futebol. No ranking da Fifa, por exemplo, a seleção nacional ocupa atualmente a modesta 129º posição, atrás até de Cuba, Chade, Bermudas e Ruanda.

E MAIS: Messi comanda show do Barcelona e faz cinco gols sobre o Leverkusen

A pequena ilha localizada no Mar Mediterrâneo se tornou independente da Turquia apenas em setembro de 1960 - até por isso, uma das línguas oficiais é o turco, além do grego - e fica bem próxima ao território asiático. A população do Chipre é de aproximadamente 1,1 milhão de pessoas, distribuídas numa área de apenas 9.251 km².

Aposta em brasileiros e portugueses
Se a campanha na Liga dos Campeões é histórica, no campeonato local o APOEL, atual campeão nacional e maior vencedor da história do país com 21 títulos conquistados, ocupa a terceira colocação, quatro pontos atrás do líder Limassol. A primeira divisão no Chipre é composta por 14 equipes.

Voltando à façanha do clube dentro da Champions League, o time não tem nenhum grande astro em seu elenco, mas aposta principalmente no talento brasileiro (todos já veteranos, diga-se de passagem) para ter sucesso. Atualmente são seis jogadores do Brasil na equipe cipriota, que também conta com outros quatro atletas portugueses.

No time titular que eliminou o Lyon nas oitavas, apenas dois eram nascidos no Chipre - os 11 iniciais ainda contaram com quatro brasileiros, três portugueses, um argentino e um grego.  

Veja quem são os brasileiros do APOEL :

Aílton, artilheiro do APOEL na Champions
AP
Aílton, artilheiro do APOEL na Champions

Aílton (atacante, 27 anos)
Artilheiro da equipe na Liga dos Campeões com sete gols anotados, o jogador nasceu em Minas Gerais, na cidade de Itabira. Começou a carreira no Atlético-MG, com passagens por Tupi-MG e Corinthians Alagoano, antes de se transferir para o futebol da Suécia. Brilhou por três anos no Copenhague, da Dinamarca, e em 2010 chegou ao APOEL.

Gustavo Manduca  (atacante, 31 anos)
Autor do histórico gol diante do Lyon, o jogador é natural da cidade de Urussanga, em Santa Catarina. No Brasil, atuou pelo Grêmio, mas fez toda sua carreira basicamente em Portugal, onde defendeu seis equipes, incluindo o Benfica. Antes de chegar ao Chipre, em 2010, teve boa passagem de quatro anos pelo AEK, da Grécia.

William Boaventura (lateral esquerdo, 32 anos) 
Dentro do Brasil, o mineiro da cidade de Ipatinga jogou na Cabofriense e, em 2004, se transferiu para o futebol do Chipre. Antes de desembarcar no APOEL, em 2010, defendeu as cores dos rivais Limassol e Anorthosis Famagusta. O experiente atleta também teve passagens rápidas pelo futebol russo e ucraniano.

Marcelo Oliveira em ação na fase de grupos da Liga dos Campeões, contra o Shakhtar Donetsk
Getty Images
Marcelo Oliveira em ação na fase de grupos da Liga dos Campeões, contra o Shakhtar Donetsk

Marcelo Oliveira (zagueiro, 30 anos)
Nascido em Santa Rita do Sapucaí, em Minas Gerais, o defensor teve passagens não muito destacadas por Corinthians, Grêmio e Metropolitano-SC. Também chegou ao APOEL em 2010, proveniente do Atromitos, da Grécia. É titular absoluto no miolo de zaga dos cipriotas.

Marcinho (meio-campista, 30 anos)
Se transferiu para o APOEL em 2010, depois de passar sete boas temporadas no Marítimo, de Portugal. Não é titular absoluto do time do Chipre, mas, mesmo quando começa no banco de reservas, geralmente entra no decorrer dos jogos. No futebol brasileiro já defendeu o São Caetano e o Santos. Nasceu na cidade de Petrolândia, em Pernambuco.

Kaká (zagueiro, 30 anos)
O pernambucano nascido em São José do Belmonte é bastante rodado no futebol mundial. Está no APOEL desde 2011, mas já passou por Braga e Acadêmica, em Portugal, e Hertha Berlim, na Alemanha. No Chipre, já atuou também no Omonia Nicósia. Não é conhecido no Brasil, tendo atuado por União Bandeirante, São Caetano, Ituiutaba, Luverdense e Grêmio Jaciara.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.