A Argentina não é só o Messi , alerta Daniel Alves - Futebol - iG" /
Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

A Argentina não é só o Messi, alerta Daniel Alves

Somos amigos, mas na hora que começa o jogo cada um vai tentar fazer o seu melhor, disse o brasileiro, sobre o colega de Barcelona

Agência Estado |

No desfalcado time da Argentina, o melhor jogador do mundo, Leonel Messi, é quem mais se destaca hoje no futebol internacional. E quem melhor que um companheiro de Barcelona para dizer a Mano Menezes a melhor maneira de dificultar o brilhante atacante argentino de resolver o jogo? "Conversamos, sim", admitiu Daniel Alves, nesta terça-feira, rindo, referindo-se ao treinador. "Mas a Argentina não é só o Messi", lembrou o lateral-direito.

"Somos amigos, mas na hora que começa o jogo cada um vai tentar fazer o seu melhor", disse Daniel. "Não há como encarar um jogo contra a Argentina como amistoso." O mesmo conceito tem o goleiro Victor, que começa jogando. A exemplo de Daniel Alves, reconhece o talento de Messi, o que o obriga a orientar a defesa ainda mais, mas "há outros ótimos jogadores no time deles".

Respostas monossilábicas, óbvias, claramente instruído a afirmar qualquer coisa que levante polêmicas. Esse foi o retrato de Neymar, nesta terça, no breve instante em que conversou com a imprensa, antes do treino no estádio Al Khalifa Internacional, onde nesta quarta-feira o Brasil enfrenta a Argentina. Primeiro falou do primeiro encontro com Ronaldinho. "É o meu ídolo. Sou fã dele, do seu futebol, da pessoa."

Confirmou que espera fazer, nesta quarta, uma dança de comemoração com a presença de Ronaldinho, caso façam um gol contra a Argentina. "Ele está nessa." A não convocação de Neymar depois do conflito no Santos que gerou a queda do técnico Dorival Júnior parece ter lhe atingido. "Agradeci o Mano Menezes por ter receber a oportunidade novamente e espero corresponder." Neymar demonstra timidez ainda na seleção.

Já o também jovem Philippe Coutinho, de apenas 18 anos, como Neymar, compensa a baixa estatura com sua fala solta e jogo voluntarioso, mesmo para um treinamento. O atacante da Inter de Milão vê a partida "como ótima chance de se mostrar a Mano Menezes". Chamou a bola para si no coletivo, buscou a responsabilidade em campo, sem inibição ou medo de errar.

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG