Depois de ter capitães gringos em 1998, 1999 e 2005, time chega ao título com apenas um estrangeiro

Nos três títulos que antecederam o quinto campeonato brasileiro do Corinthians , o capitão era gringo. Desta vez, sem protagonistas estrangeiros, contou apenas com um jogador de um vizinho sul-americano: o peruano Ramírez . Em 1998, 1999 e 2005, com o paraguaio Gamarra, o colombiano Rincón e o argentino Tevez, respectivamente, o Corinthians teve um gringo não só como titular, mas como peça importante do elenco.

Para Rincón, que trabalhou recentemente na base corintiana, o clube priorizou buscar jogadores que fizeram relativo sucesso em times menores brasileiros antes de contratar um estrangeiro, como fizeram em outros tempos, quando os gringos contratados já eram consagrados.

“A gente vê o Ralf, o Paulinho, o Castán... são jogadores que estavam indo bem no interior (de São Paulo) e o Corinthians foi buscar. O Ramírez eu vejo como uma aposta barata que o time fez, mas ele teve azar com contusões e acabou não jogando muito”, disse Rincón, ao iG. O volante, que participou dos títulos brasileiros de 1998 e 1999, e ergueu a taça do título mundial de 2000, foi homenageado há uma semana na calçada da fama do Parque São Jorge.

nullMesmo que Ramírez não tenha sido assíduo na campanha (jogou apenas seis jogos), ele terá seu nome gravado na história desse campeonato pelo gol que marcou na vitória contra o Ceará, na 35ª rodada. A vitória por 1 a 0 isolou o Corinthians na liderança e permitiu ao time a arrancada final para o título.

“Não tive um bom ano, me machuquei, mas consegui fazer esse gol para ajudar o time nessa busca pelo título”, disse Ramírez, um dia depois de ter marcado o gol em Fortaleza. Com uma fratura no pé esquerdo, o peruano ficou quase todo o campeonato fora de combate.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.