Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Após segunda derrota, Mano nega pressão e cita era Dunga

Brasil perdeu para França, nesta quarta, e para a Argentina, em novembro, ambos por 1 a 0. Próximo jogo será em março

Paulo Passos, enviado iG a Paris |

“Não”. Foi com uma resposta seca que Mano Menezes negou que tenha temor por pressão após perder dois clássicos seguidos no comando da seleção brasileira. Nesta quarta-feira, a equipe foi derrotada pela França, em Saint-Denis, por 1 a 0, o mesmo placar desfavorável do jogo contra a Argentina, em novembro.

As duas partidas foram as primeiras da série de jogos difíceis que o técnico planejou para o início de trabalho na seleção. Antes, o Brasil enfrentou adversários mais fracos: Estados Unidos, Irã e Ucrânia. A seleção venceu as três.

Segundo Mano Menezes, as quedas nos “clássicos” não alteram o trabalho que vem sendo realizado desde agosto, quando ele assumiu. “Derrota é ruim sempre. Não estamos acostumados a ver a seleção brasileira perdendo. Mas estatística boa nós já tivemos e não conseguimos chegar onde queríamos”, disse, se referindo ao trabalho do seu antecessor, Dunga, quando a seleção venceu tudo antes da Copa e foi eliminada nas quartas de final.

“Precisamos entender como as derrotas nesses últimos jogos aconteceram. Nós tomamos um gol no último minuto contra a Argentina, num jogo que fomos bem, e contra a França estávamos sendo superiores até ficarmos com um jogador a menos”, afirmou o treinador.

O Brasil volta a jogar no final de março. Os adversários para as duas datas Fifa ainda não foram definidos. Uma das partidas, pelo menos, deve ocorrer em Londres. Em junho, a seleção enfrenta a Holanda antes de disputar a Copa America, na Argentina.

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG