Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Após saída de Teixeira, Fifa assume a Copa e mantém Valcke

Entidade anunciou a inclusão de todos os membros do seu Comitê Executivo no grupo de acompanhamento das ações do Mundial

Reuters |

A Fifa incluiu seu Comitê Executivo inteiro no COL (Comitê Organizador Local da Copa), temendo o andamento dos preparativos para o torneio de 2014 no Brasil. A medida acontece duas semanas após a renúncia de Ricardo Teixeira . Desde então, José Maria Marin assumiu a presidência do COL.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores


"No intuito de sublinhar a importância do Mundial para a entidade máxima do futebol, o Comitê Executivo da Fifa agora fará parte, pela primeira vez, do fórum deliberativo que é responsável por monitorar e organizar cada edição do principal torneio da Fifa", disse a entidade em comunicado nesta quarta-feira.
A Fifa informou que Danny Jordaan, presidente do comitê organizador local da Copa do Mundo de 2010 na África do Sul, e Alexei Sorokin, chefe do comitê organizador do evento na Rússia em 2018, também farão parte do órgão na condição de consultores especiais.

Getty Images
Jérôme Valcke e Aldo Rebelo durante visita do dirigente ao Brasil em janeiro


Os preparativos para a Copa do Mundo do Brasil têm sido marcados por atrasos na construção dos estádios e de outras obras de infraestrutura, como aeroportos, conexões de transporte e hotéis.
Essas preocupações aumentaram com os planos dos organizadores de fazer as equipes viajarem a diferentes regiões do país para as partidas de primeira fase, em vez de permanecerem numa mesma região.

VEJA TAMBÉM: Por Lei da Copa, Aldo 'muda' gabinete para Câmara

A Fifa também está irritada com os seguidos adiamentos na votação no Congresso da Lei Geral da Copa, um conjunto de regras para a realização do Mundial que vai liberar a venda de álcool nos estádios -uma exigência da Fifa por questões comerciais-, entre outros pontos polêmicos.

Um acordo fechado na Câmara dos Deputados marcou a votação da lei para esta quarta-feira, após inúmeros adiamentos por temores de uma derrota do governo. A Fifa confirmou ainda que o secretário-geral da entidade, Jérôme Valcke, -que enfureceu os rasileiros ao dizer que os organizadores locais precisavam de um "chute no traseiro"- participou da reunião do comitê organizador em Zurique nesta quarta.

LEIA MAIS: Na Suíça, presidente da Fifa diz que Copa no Brasil será excepcional

"Jérôme Valcke compareceu à reunião como a pessoa encarregada da organização da Copa do Mundo na Fifa", disse a entidade que governa o futebol em um outro comunicado. O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, havia pedido a substituição de Valcke, que disse várias vezes que a lei deveria ter sido aprovada em 2007.

As autoridades da Fifa também se encontraram com José Maria Marin, o novo presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e do Comitê Organizador Local (COL) da Copa de 2014, depois da saída de Ricardo Teixeira, que alegou problemas de saúde em meio a acusações de corrupção.
Apesar dos atrasos e da agitação política, o presidente da Fifa, Joseph Blatter, disse que o Brasil organizará uma Copa do Mundo excepcional.

VEJA AINDA: Atraso na Lei da Copa emperra ingressos, plano de marketing e até mascote

"Depois da reconfirmação recebida da presidenta Dilma Rousseff e do governo brasileiro quanto ao cumprimento de todas as garantias, estamos confiantes de que, apesar das muitas tarefas que todos nós ainda temos pela frente, o Brasil organizará uma Copa do Mundo da Fifa excepcional em 2014", afirmou Blatter.
 

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG