Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Após mentir, Somália chora e promete não repetir erro no Botafogo

Jogador pediu desculpas aos torcedores e ao clube e disse que tirou uma lição de tudo o que aconteceu

Renan Rodrigues, iG Rio de Janeiro |

selo

O volante Somália, do Botafogo, se pronunciou pela primeira vez nesta quinta-feira sobre a história criada para justificar a sua falta na reapresentação do time em 2011. O jogador, que foi prestar depoimento na 16ª DP, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, se desculpou com a torcida e revelou estar arrependido.

"Tenho que vir a público pedir desculpas e perdão a todo mundo, como filho, pai de família e cidadão. Peço desculpas à torcida, que sempre me apoiou e tenho certeza que vai continuar me apoiando. Minha família sofreu muito durante este tempo. Errei, estou aqui para assumir. Já conversei com meu advogado, fomos à delegacia prestar esclarecimentos. Tudo que tenho que fazer é pedir desculpas e dar sequência ao trabalho, mesmo não sendo fácil passar por este tipo de situação", afirmou Somália.

O jogador inventou um sequestro-relâmpago para justificar a ausência na reapresentação da equipe, mas a polícia logo descobriu a farsa. Imagens do circuito interno do prédio onde mora o jogador, registraram o momento em que ele entrou no imóvel, por volta das 4 horas do dia 5. O vídeo mostra também quando Somália sai do prédio, por volta das 9 horas, apenas cerca de meia hora antes de o volante chegar ao 16.º DP da Barra, e dizer que teria ficado em poder de sequestradores por cerca de duas horas.

Na coletiva, o jogador revelou que conversou com o técnico Joel Santana, ouviu conselhos e agradeceu o apoio dos jogadores e funcionários do clube. Quando falou sobre a família e os efeitos negativos para a imagem do Botafogo, o volante se emocionou e chorou.

"Quero pedir desculpas também à instituição Botafogo, acabei expondo o clube. Já pedi aos companheiros e à comissão técnica. Estou arrependido. Tenham certeza que não acontecerá mais. Joel (Santana, técnico) me disse que as coisas acontecem para aprendermos. Passou. Só posso ser grato às pessoas que acreditaram em mim e torço para que esta página seja virada. Temos um ano todo pela frente, preciso continuar dando o melhor e ajudando o Botafogo", reforçou Somália, que chegou a chorar durante o seu pronunciamento.

Segundo a polícia, imagens do circuito interno do prédio onde mora o jogador registraram o momento em que ele entrou no imóvel, por volta das 4 horas do dia 5. O vídeo mostra também quando Somália sai do prédio, por volta das 9 horas, apenas cerca de meia hora antes de o volante chegar ao 16.º DP da Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio, e dizer que teria ficado em poder de sequestradores por cerca de duas horas.

*Com Agência Estado

Leia tudo sobre: BotafogoFutebolSomáliaCampeonato Carioca 2011

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG