Presidente do Cruzeiro não compareceu ao primeiro dia de trabalho do Brasil em Doha. Funcionários da seleção afirmaram que ele alegou estar com dor de cabeça

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=esporte%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237860354384&_c_=MiGComponente_C

Entre as funções do chefe de delegação da seleção brasileira está acompanhar o time no ônibus dos jogadores. Assim, Zezé Perrella deveria chegar ao estádio Al-Gharafa, onde o time de Mano Menezes faz o primeiro treinamento em Doha para o amistoso contra a Argentina.Era para ser, mas não foi. Tampouco, o dirigente compareceu depois, como havia sido informado pela assessoria de comunicação da entidade

No dia em que divulgou uma nota criticando o Campeonato Brasileiro e chamando o presidente da Comissão de Arbitragem da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), Sergio Correia, de incompetente, Perrela não foi ao treino do Brasil.

A primeira informação divulgada pela assessoria de imprensa da entidade foi que o cruzeirense havia se atrasado no hotel e perdido o ônibus que levava ao estádio. Depois, após o treinamento, o responsável pela logística da CBF afirmou que Perrela alegou estar com dor de cabeça e preferiu ficar no hotel. Ele tem motivo para isso, disse o funcionário.

A dor de cabeça do presidente do Cruzeiro começou na partida contra o Corinthians. O dirigente se indignou com o que, segundo ele, foi uma marcação equivocada de pênalti em Ronaldo nos minutos finais da partida de sábado no Pacaembu. Na cobrança, o atacante marcou o único gol da vitória corintiana.

Perrela chegou a ameaçar não ir para o Catar, mas desistiu da ideia. A ira do cruzeirense virou motivo de piada nos bastidores da seleção brasileira. Após o treinamento desta segunda-feira, o técnico brincou com os jornalistas presentes. O Zezé virou para mim e disse: Mano só não vem me dizer que foi pênalti, contou rindo, Mano Menezes.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.