Tamanho do texto

Na vitória sobre o Grêmio, no último domingo, estádio teve terceira queda de energia nesta temporada

Foram três quedas de energia num intervalo de apenas dois meses . Na vitória do Botafogo sobre o Grêmio, no último domingo , mais uma vez o estádio Engenhão ficou sem energia e a partida precisou ser paralizada por mais de 20 minutos. Por isso, o Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Rio de Janeiro (Crea-RJ) notificou o clube carioca na manhã desta segunda-feira e pediu explicações.

O conselheiro do Crea-RJ, Luiz Cossenza, disse que o Botafogo terá 10 dias para responder a notificação, mas que o problema não é difícil de resolver. O clube teria apenas que instalar um no-break (que já possui) para acabar com os apagões no estádio, único palco do futebol do Rio de Janeiro.

"O problema não é da Light (empresa que fornece energia elétrica no Rio de Janeiro), até porque o bairro ficou com luz e os setores de camarote e imprensa também. As instalações são muito boas e existe um gerador, que tem capacidade de gerar duas vezes a energia necessária. O problema se resolveria com a instalação de um no-break, que impediria de haver essas quedas. O Botafogo já tem isso, apenas precisa instalar", declarou Cossenza em entrevista à rádio Brasil.

Engenheiros do Crea já haviam feito uma vistoria no começo de maio para verificar os motivos que levaram aos dois "apagões" anteriores. A vistoria só foi possível graças à intervenção do Ministério Público Estadual (MPRJ), já que no último dia 2 de maio o Crea-RJ foi impedido de entrar no estádio. Na época, a diretoria do Botafogo divulgou nota informando que não havia sido consultada "formalmente a respeito e em tempo hábil".