Com apoio de cerca de 6 mil torcedores, time paulista vence por 2 a 0 e esta fora da Copa do Brasil

nullO Palmeiras jogou bem melhor e dominou o Coritiba nesta quarta-feira, no Pacaembu. Durante a vitória por 2 a 0, nem parecia o mesmo time que entrou em campo no Couto Pereira, semana passada. Talvez as quatro mudanças, talvez uma conversa de Felipão no vestiário ou até o apoio dos mais de 6 mil presentes no estádio.

O fato é que os 2 a 0 não foram suficientes (após a goleada por 6 a 0 ), mas deixaram os pouco mais de 6 mil torcedores presentes no Pacaembu satisfeitos. Todos aplaudiram o time, o apoiaram e até gritaram "olé" para o seu time.

Ao Coritiba, apesar da classificação, fica a tristeza pelo fim da sequência de vitórias consecutivas (24) e da invencibilidade nesta temporada. O time paranaense pega nas semifinais o Ceará , que eliminou o Flamengo.

Os torcedores palmeirenses acompanharm o jogo, vibraram junto com o time em quase todas jogadas, mas também não faziam cerimônia antes de reclamar sobre todo e qualquer erro. A ansiedade era clara. O gol contra, logo no início do 2º tempo, e a expulsão de Bill foram os pontos que proporcionaram vibração à torcida, que tentava empurrar seus jogadores rumo ao milagre.

Até Marcos Assunção , que não marcava desde fevereiro, voltou a balançar as redes em uma cobrança de falta. Mas foi pouco.

Depois de conseguir manter o 0 a 0 no placar no primeiro tempo abusando das faltas, o Coritiba já tinha os dois pés na semifinal da Copa do Brasil, apesar de ter sua invencibilidade quebrada após 24 jogos seguidos de vitória.

O destaque positivo foi que a torcida palmeirense não parou de cantar um minuto. Mesmo sem a torcida organizada , que tradicionalmente puxa os coros entoados no estádio, os torcedores cantaram nome de jogadores, apoiaram e puxaram o hino do clube. Os primeiros torcedores que deixaram as arquibancadas saíram só aos 40 minutos do 2º tempo, coisa que acontece mesmo no dia das vitórias.

O time paranaense enfrenta agora o Ceará, que empatou com o Flamengo por 2 a 2 após vencer a partida de ida por 2 a 1. Já o Palmeiras concentra as forças para jogar o Campeonato Brasileiro. A estreia acontece no dia 22 de maio, contra o Botafogo, em São José do Rio Preto.



O Jogo
O Palmeiras começou bem melhor o jogo. Tanto que, aos 25 minutos, Marcos ainda não tinha feito nenhuma defesa. O detalhe é que o time dependia muito das bolas alçadas por Marcos Assunção. O time sofria com a falta de criatividade no meio-campo, apesar da boa disposição demonstrada por Lincoln.

Do outro lado, o jeito encontrado pelo Coritiba de tirar qualquer chance dos palmeirenses começarem a construção do milagre foram as faltas. Lucas Mendes e Bill foram amarelados com menos de 25 minutos. O banco do time do Paraná chegou até a ser advertido, de tnato que reclamava da atuação do árbitro Nielson Nogueira.

A etapa inicial teve essa tônica e acabou no empate por 0 a 0. No apito final, a torcida nem aplaudiu nem vaiou. Apenas ficou calada e mostrou que já não acreditava mais tanto no milagre.

O segundo tempo começou com notícia ruim para o palmeirense. Wellington Paulista teve uma luxação na clavícula e precisou ser substituído por Adriano Michael Jackson. No fim, o apito inicial foi dado, o próprio atacante acabou fazendo a jogada do gol que abriu o placar. Ele cruzou e contou com a ajuda de Émerson, que empurrou para as redes.

A torcida começou a acreditar no improvável e qualquer lance agudo já arrancava suspiros do torcedor. Marcos, por exemplo, resolveu sair jogando, interceptou um lançamento, dominou a bola no peito e colocou a bola na área adversária. A torcida comemorou como um gol. Ouro detalhe muito comemorado foi a expulsão de Bill, que tomou o segundo amarelo ao tentar uma bicicleta e acabar acertando a cara de Thiago Heleno.

O cartão vermelho foi o sinal para Felipão atacar. Ele tirou João Vítor e colocou Patrik. A substituição aumentou o domínio do Palmeiras no jogo. Marcos Assunção, de falta, aumentou o ânimo com uma belíssima batida de falta. Depois de mais de quatro meses sem marcar, ele ampliou o placar para 2 a 0.

A torcida pegou fogo e passou a acreditar no time. Faltavam 25 minutos para o jogo acabar e quatro gols para o jogo ser levado para os pênaltis. Tinga entrou no lugar de Lincoln para dar mais velocidade ao meio-campo, mas não adiantou. Marcos Assunção ainda tentou fazer outra com boa batida de falta, mas não deu. O milagre não foi alcançado.

A expulsão do atacante Bill empolgou a torcida palmeirense no Pacaembu
Milton Trajano
A expulsão do atacante Bill empolgou a torcida palmeirense no Pacaembu


FICHA TÉCNICA - PALMEIRAS 2 X 0 CORITIBA

Local:
Pacaembu, em São Paulo (SP)
Data: 11/05/2011, quarta-feira
Horário:
21h50 (de Brasília)
Árbitro:
Nielson Nogueira Dias (PE)
Assistentes:
Márcia Caetano(RO) e Jossemar Moutinho(PE)
Público:
6.541 pagantes
Renda:
R$ 219.374,00
Cartões amarelos:
Bill, Lucas Mendes (COR) Kleber (PAL)
Cartão vermelho : Bill (COR)

GOLS
PALMEIRAS: Emerson (contra), aos 2 minutos do 2º tempo , Marcos Assunção, aos 19 minutos do 2º tempo

PALMEIRAS: Marcos; João Vítor, Danilo, Thiago Heleno e Gabriel Silva; Chico, Márcio Araújo, Marcos Assunção e Lincoln (Tinga); Wellington Paulista (Adriano Michael Jackson) e Kleber
Técnico: Luiz Felipe Scolari

CORITIBA:
Edson Bastos; Jonas, Demerson, Emerson e Lucas Mendes; Leandro Donizete, Willian, Everton Ribeiro (Marcos Paulo), Anderson Aquino (Maranhão) e Davi (Leonardo); Bill.
Técnico: Marcelo Oliveira

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.