Presidente da entidade divulgou nota afirmando que retomará as atividades após o carnaval. Ele viajou para Miami nesta sexta

Ricardo Teixeira durante evento da Copa do Mundo, em 2011
Getty Images
Ricardo Teixeira durante evento da Copa do Mundo, em 2011
Após uma semana de rumores, o presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), Ricardo Teixeira, divulgou uma nota nesta sexta-feira informando que “retomará as atividades que constam da sua agenda de trabalho na CBF após o carnaval”. Nesta sexta-feira, o cartola viajou para Miami.

“O presidente da CBF, Ricardo Teixeira, bem como todos os membros de sua família, tem sua situação tributário-fiscal devidamente regularizada, nada devendo ao fisco federal, estadual e municipal, sendo certo que todos os seus bens e propriedades estão devidamente declarados perante as repartições competentes”, diz a nota divulgada no site da entidade.

Veja também: Del Nero diz que renuncia de Teixeira é boato e enxerga “golpe”

Teixeira anunciou também que irá processar o jornalista Juca Kfouri, que divulgou uma foto da filha do dirigente no seu blog no Uol. A imagem foi publicada junto com a informação de que Sandro Rosell, presidente do Barcelona, depositou R$ 3,8 milhões na conta da herdeira do cartola, que tem 11 anos.
Rosell é sócio da Alianto, empresa que recebeu R$ 9 milhões do governo do Distrito Federal pelo amistoso da Seleção Brasileira contra Portugal, em 2008. O evento está sendo investigado pelo Ministério Público por superfaturamento.

Futuro incerto
Antes de divulgar o comunicado, Ricardo Teixeira viajou para Miami, onde passará o feriado de carnaval. O cartola viajou em um avião particular, acompanhado de Wagner Abrãao, dono da agência de turismo Pallas, do grupo Águia. A empresa é parceira da CBF e foi escolhida para comercializar os pacotes VIP’s da Copa do Mundo de 2014, no Brasil.

Leia mais: Aliados de Teixeira veem cartola isolado e já articulam eleição

Segundo pessoas próximas ao cartola, Teixeira já cogita deixar a CBF desde o final de 2011. Sem apoio da Fifa, que já trata da Copa do Mundo de 2014 diretamente com o Governo Federal, e sem diálogo com a presidenta Dilma Rousseff, o cartola sofreu com novas denúncias de corrupção.

Envolvido, segundo a BBC, em um caso de corrupção dentro da Fifa, que está sendo investigado na Suíça, o brasileiro tem seu nome ligado agora a um escândalo no Brasil. Documentos revelados pela Folha de S. Paulo apontaram que o cartola tem ligações com a empresa que superfaturou o amistoso da seleção brasileira contra Portugal, em 2008, no Distrito Federal. O caso foi investigado pela Polícia Civil de Brasília e está na Justiça Federal.

Em dezembro, Ricardo Teixeira chegou a pedir uma licença do cargo de presidente da CBF e do COL (Comitê Organizador Local da Copa do Mundo). Durante o período deixou de comparecer ao Mundial Interclubes e ao prêmio de melhor jogador do mundo, importantes eventos da Fifa, onde o dirigente já não goza de prestígio. Nas duas ocasiões, foi representado por José Maria Marin, seu vice-presidente mais velho.

Fifa foi um sonho

Todo poderoso após a confirmação do Brasil como sede da Copa de 2014, em 2007, Teixeira chegou a articular uma provável candidatura a presidência da Fifa para 2015. O plano, entretanto, perdeu força nos últimos meses, quando caiu em desgraça com o atual número 1 da entidade máxima do futebol, Joseph Blatter, ao apoiar Mohamed Bin Hammam nas eleições do ano passado. O ex-presidente da Confederação Asiática de Futebol desistiu da candidatura após revelações de que comprou votos para o pleito.

Durante o período eleitoral na Fifa, Teixeira voltou atrás e passou a apoiar Blatter. O movimento não foi suficiente para melhorar a relação com o presidente da entidade, que, com a desistência de Bin Hammam, venceu a eleição sem nenhum adversário.

Isolado no Planalto
À frente da CBF desde 1989, Ricardo Teixeira já viveu períodos de isolamento e de aproximação com o Governo Federal. Durante o governo Lula foi aliado do ex-presidente e era recebido pelo alto escalão do Planalto. Com Dilma Rousseff, entretanto, não tem o mesmo trânsito. Desde o ano passado não consegue uma audiência com a presidenta, que já se reporta diretamente à Fifa para tratar dos assuntos referentes a Copa do Mundo de 2014.

A última aparição pública de Ricardo Teixeira foi no anúncio de Ronaldo como membro do conselho do COL em novembro de 2011. Desde então, o ex-jogador virou a imagem do comitê. A imagem do ex-jogador, ídolo mundial ligada ao Mundial agrada o Planalto. Nos bastidores, entretanto, Teixeira ainda tem voz e define o que deve ser feito pelo “Fenômeno”.




    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.