Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Apesar da boa campanha, Vasco é um time de dar sustos no torcedor

Últimas vitórias foram construídas somente a partir da expulsão de um jogador adversário

Hilton Mattos, iG Rio de Janeiro |

Nos últimos jogos, o Vasco tem matado o torcedor do coração. Apesar de o time vir de três vitórias seguidas, foi preciso um jogador adversário ser expulso. Sem falar que nas partidas contra ABC e Cabofriense o resultado de 2 a 1 foi conquistado somente nos minutos finais, quando o placar marcava 1 a 1. A torcida não poupou ninguém. Sobrou até para Felipe, xodó da equipe. Como explicar que o time de melhor campanha na Taça Rio, com 16 pontos, cause tanto sofrimento ao seu torcedor?

“Se a gente pudesse, ganhava de 7 a 0 sempre, mas do outro lado existe um adversário. É difícil jogar contra times com bom poder de marcação. E tem sido assim. É normal quando se sofre um gol, amolecer. Amolecer, não: parar para respirar. E quando você para e respira, o adversário cresce e dificulta a tua vida”, justifica o zagueiro Dedé.

A primeira das três vitórias foi sobre o Bangu: 4 a 0. O próprio técnico Ricardo Gomes reconheceu que o Vasco só passou a dominar a partida quando ficou com um jogador a mais. Depois, veio o ABC, pela Copa do Brasil. O adversário fez 1 a 0 e se retraiu, já que empatara em 0 a 0 em Natal. O gol da classificação só saiu aos 33 minutos do segundo tempo, com Bernardo – Alecsandro deixara tudo igual no começo da segunda etapa. Parecia conquista de título, tamanha a festa na comemoração.

“Ali tinha uma tensão especial. Eles se fecharam porque o resultado dava a classificação para eles. Todo mundo vem aqui e se fecha. Você pensa que é fácil enfrentar estes adversários só porque estamos dentro de casa?”, retrucou o zagueiro.

Contra a Cabofriense, no sábado, pela Taça Rio, o drama foi ainda maior. O torcedor imaginou que o Vasco goleasse o time da Região dos Lagos, que lutava para não cair e acabou rebaixado para a segunda divisão. Por isso, as vaias a Felipe e ao técnico Ricardo Gomes. Para Diego Souza, este jogo teve um personagem que não pode passar despercebido. Na opinião do meia, o time teria vencido com facilidade se o goleiro Flávio não estivesse numa noite tão inspirada.

“Mérito total do goleiro deles, que fez várias defesas importantes. Poderíamos ter feito muito mais. Mas existe um aspecto importante que é o nosso poder ofensivo. Temos criado bastante. Isso não pode ser esquecido”, ponderou Diego Souza.
 

Leia tudo sobre: vascodedédiego souza

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG