Joaquim Grava, médico do clube, afirmou em 2010 que doença era "balela". Ex-atacante confirmou nesta segunda que sofre do mal

Durante a coletiva desta segunda-feira, na qual anunciou sua aposentadoria do futebol, Ronaldo confirmou o que o Milan sabia desde 2007: o agora ex-atacante sofre de hipotireoidismo. No entanto, em reportagem do iG publicada em setembro de 2010 , o Corinthians negou que o atacante sofresse do mal, responsável por diminuir a produção de hormônios da glândula tireóide e que, em alguns casos, desencadeia aumento de peso.

“É balela. Você acha que se fosse esse o problema do Ronaldo a gente não trataria? Não tem nada de tireóide”, disse na época o médico corintiano Joaquim Grava, que dá nome ao centro de treinamento do clube. “O Milan já desmentiu esse boato", completou o especialista. Durante a coletiva desta segunda, porém, o próprio Ronaldo contradisse Grava e confirmou que sofre da doença. Ele também afirmou que o Corinthians estava ciente de sua condição.

Ronaldo chora em sua despedida do futebol. Ele contradisse o médico corintiano e confirmou sua doença
Futura Press
Ronaldo chora em sua despedida do futebol. Ele contradisse o médico corintiano e confirmou sua doença
"Há quatro anos atrás no Milan, eu descobri que sofria de um distúrbio que se chama hipotireoidismo. Um distúrbio que desacelera o seu metabolismo, e que para controlar esse teria de tomar hormônios que no futebol não são permitidos. Seriam um doping. O Corinthians sempre soube de tudo", afirmou Ronaldo nesta segunda. "Muitos devem estar arrependidos de tanta chacota do meu peso, dos comentários do meu peso, mas não guardo mágoa de ninguém, e tenho de explicar isso no último dia da minha carreira", completou o ex-camisa 9. Ao iG , médicos endocrinologistas afirmam que tratamento de hipotireoidismo não caracteriza doping .

nullA doença de Ronaldo é 10 vezes mais comum em mulheres do que em homens e não tem cura - ela deve ser controlada através do uso de hormônios.

Os exames do Milan
Em agosto de 2007, o médico milanista Jean Pierre Meerseman disse à TV oficial do clube que exames revelaram a existência de um problema de metabolismo de Ronaldo que o impedia de perder peso. Depois disso, o jogador iniciou o tratamento que resultou na perda de alguns quilos. No entanto, para manter o hipotireoidismo controlado, Ronaldo deveria fazer o uso de hormônios para regular a glândula, mas não pode fazer esse tratamento pois as substâncias caracterizariam doping, afirmou o jogador nesta segunda.

De acordo com os médicos do clube italiano, o jogador chegou a perder cinco quilos em 2007, depois que passou a ingerir quantidades controladas do hormônio produzido pela tireóide. A impossibilidade de continuar o tratamento, no entanto, dificultou a perda de peso. Ronaldo apontou os problemas para entrar em forma como fatores decisivos para decidir se aposentar do futebol aos 34 anos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.