Tamanho do texto

Treinador revela que meia não suportava os problemas de relacionamento do grupo e queria voltar para o Sport

Antônio Lopes tem no currículo, além de títulos, o mérito de revelar jogadores que se transformariam em craques. Romário e Edmundo são os maiores exemplos. Mas o treinador teve a competência também de evitar que futuras promessas se perdessem no caminho. Quinze anos depois, ele revela que Juninho Pernambucano estava de saída do Vasco, ainda garoto, devido a problemas de relacionamento. Como enxergava enorme potencial no jogador - de volta ao clube recebendo salário mínimo - impediu seu retorno ao Sport. Para sorte da dupla e do Vasco , entre 1996 e 2001 o clube conquistou os títulos mais importantes de sua história e Juninho foi coroado o Reizinho de São Januário.

Siga o iG Vasco no Twitter e receba todas as informações do seu time em tempo real

Juninho comemora gol pelo Vasco na final da Copa Havelange de 2000
AE
Juninho comemora gol pelo Vasco na final da Copa Havelange de 2000
Lopes assumiu o time em 96, no lugar de Zanata. O Vasco fazia péssima campanha no Campeonato Brasileiro e lutava para não ser rebaixado. O grupo tinha Carlos Germano, Felipe, Pedrinho, Ramon e Edmundo – a espinha dorsal do grupo que conquistaria o Brasileiro do ano seguinte. Mas, naquele momento, o ambiente entre os jogadores não era dos melhores. Com apenas 20 anos, Juninho estava incomodado com o que se passava da porta do vestiário para dentro e pediu para sair. Foi quando Lopes entrou em ação.

“Ele era muito menino e não concordava com algumas coisas. Não cabe aqui dizer nomes, mas se sentia desprestigiado em ver alguns com tratamento diferente de outros. Eu tinha acabado de chegar e soube que ele estava querendo ir embora. Chamei ele para conversar e o convenci. Fiz ele ficar”, conta Antônio Lopes.

Além de Juninho, Ramon também estava insatisfeito. De fato, o ano de 1996 para o Vasco é para ser esquecido. Depois de perder os dois turnos do estadual para o Flamengo, o time foi mal no Brasileiro e os problemas internos só aumentavam. Com toda truculência atribuída ao ex-presidente Eurico Miranda, o dirigente tinha o hábito de preservar treinadores. Mas, naquele ano, ele deu cartão vermelho para Carlos Alberto Silva e Zanata em menos de quatro meses. Sem falar nas brigas com Edmundo, que acabava de repatriar do Corinthians e foi apresentado à torcida em São Januário chegando de helicóptero.

Este era o cenário que incomodava Juninho. Revelado pelo Sport e destaque da Seleção Brasileira de novos, o meia era uma promessa. Lopes apostava no futebol do jogador e acreditava que para o ano seguinte, com a contratação de alguns reforços e saída de outros, Juninho teria mais espaço no time. Este foi um dos argumentos usados para convencê-lo a permanecer em São Januário.

“Não queria que ele saísse. Ele tinha uma qualidade incrível, precisava era amadurecer, ganhar confiança, ritmo de jogo, e isso tudo ia acontecer naturalmente no decorrer da minha passagem pelo Vasco. Ele entendeu”.

Valeu o esforço. Juninho colocou no currículo um estadual (98), dois Brasileiros (97 e 2000), um Rio-São Paulo (99), uma Mercosul (2000) e a Libertadores de 98. Filho de militar, o meia conheceu Renata, com quem se casaria e teria duas filhas. Jogador de comportamento discreto, a vida regrada, acredita Lopes, contribuiu para que ele fosse um atleta disciplinado e sem lesões.

“Juninho nunca foi um cara da bagunça. Não bebia, não fumava, treinava muito, nunca se machucou. Era um jogador exemplar. Hoje ele tem 36 anos? Nesta fase, o maior problema de um jogador é o aspecto físico. Quanto a isso o Vasco não precisa se preocupar. Juninho sempre cuidou, vai dar certo de novo em São Januário”, observou o treinador.

Títulos foram muitos ao lado do meia. Porém, o mais marcante foi a conquista da Libertadores. Na semifinal, o Vasco eliminou o River Plate em Buenos Aires. O time precisava do empate para se classificar, perdia de 1 a 0 e Juninho empatou, numa cobrança de falta inesquecível até hoje para a torcida vascaína.

“Ele cobrou magistralmente aquela falta, mandou a bola na gaveta. Era um jogo duro, dentro da casa do adversário, muita pressão, e ele foi lá e decidiu. Este, sem dúvida, é o momento dele que guardo com mais carinho”, conta Lopes.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.