Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Andrés evita popularizar nomes para preservar "naming rights"

Presidente do Corinthians deixa de lado nomes populares, visando valorizar a venda pelos direitos do nome do estádio do time

iG São Paulo |

Wayne Camargo/RedeTV!
Andrés Sanchez fala sobre o 'naming rights' do estádio do Corinthians
Andrés Sanchez, presidente do Corinthians, mostrou-se incomodado com os apelidos populares do futuro estádio do clube, como 'Fielzão' e 'Itaquerão'. Em entrevista ao programa "Superpop", da Redetv!, nesta segunda-feira, ele diz que os nomes prejudicam a venda dos "naming rights" do estádio corintiano.

Leia mais: Rejeitado no Corinthians, nome Fielzão é registrado por empresário

"Primeiro, quero deixar claro que não é Fielzão, não é Itaquerão. É Arena Corinthians. Vamos vender o nome. Nós corintianos, principalmente, temos que parar de colocar apelido no estádio", afirmou Andrés, que já declarou o desejo de vender o "naming rights" por R$ 400 milhões pelo período de dez anos.

Confira ainda: Adriano inicia semana decisiva para convencer Tite a escalá-lo

O presidente também comentou o custo das obras do estádio. "Já assinamos o contrato definitivo com a construtora e o estádio não custará mais que 820 milhões. E mais para a frente as contas serão abertas para os corintianos saberem de todos os detalhes sem problema nenhum", disse Andrés.

No término de seu mandato à frente do time paulista, Andrés falou sobre algumas decepções na administração da equipe. "Estou um pouco decepcionado, um pouco triste e cansado com algumas coisas que insinuam no meio do futebol. Ficam insinuando que sou ladrão, então é muito difícil, muito triste, não só pra mim, mas para os meus filhos, para a minha família, para os meus amigos. Hoje sei que se tornar uma pessoa pública é um preço muito caro que se paga", ressaltou o dirigente .

Para finalizar, Andrés afirma que sonha em ter Neymar jogando pelo Corinthians e fala sobre o seu candidato à eleição, que acontece em fevereiro do ano que vem. "Indiquei Mário Gobbi como meu sucessor. Ele foi meu diretor de futebol durante três anos. Vai ter eleição em fevereiro e eu espero que ele ganhe para o bem do Corinthians", finalizou o presidente corintiano.

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG