Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Aliados afirmam que Juvenal não corre risco de perder o cargo

Oposição do São Paulo tenta anular eleição, mas situação diz que ação, em Brasília, vai demorar a ser julgada

Mário André Monteiro, iG São Paulo |

AE
Juvenal Juvêncio, presidente do São Paulo, comemora mais uma vitória nas urnas

Na semana passada, a oposição do São Paulo conseguiu uma liminar concedida pela 3ª Vara Cível do Fórum Regional de Pinheiros que impede a reeleição de Juvenal Juvêncio no cargo de presidente do clube. A decisão tem efeito de anular o pleito realizado em abril, já que foram feitas mudanças no estatuto , que dava o aval para apenas dois mandatos seguidos – Juvenal está no terceiro.

> Veja também: Relembre como foi a polêmica reeleição de Juvenal Juvêncio

"O atual presidente do São Paulo Futebol Clube está irregular e teimosamente no cargo, contrariando a história do clube. Esperamos que desta vez a decisão da Justiça seja definitivamente acatada e que novas eleições sejam realizadas", afirmou Edson Lapolla, candidato derrotado na eleição deste ano, em comunicado oficial.

Porém, o advogado da situação e ex-presidente do clube, Carlos Miguel Aidar, defende a tese de que qualquer decisão que venha da Justiça paulista não terá efeito algum e não ameaça o mandato de Juvenal Juvêncio . De acordo com o advogado, é necessário aguardar pelo julgamento no STF (Supremo Tribunal Federal), em Brasília, em última instância. Antes disso, nada muda, segundo Aidar.

> Qual seu posicionamento na reeleição de Juvenal? Comente na matéria

"Essa liminar não passa nem perto de anular a mudança de estatuto do clube e tirar o Juvenal do cargo de presidente. Ele só perde o cargo se Brasilia (STF), no outro processo, decidir, e o Juvenal não fizer Assembleia Geral. Fora isso, o risco é zero", disse Carlos Miguel Aidar em contato com a reportagem do iG.

A mudança do estatuto do clube é foi votada apenas pelos conselheiros , em fevereiro. A oposição, porém, alega que a votação deveria ter sido realizada em uma Assembléia Geral dos sócios do clube. Nesse caso, os rivais de Juvenal acreditam que o atual presidente não teria o número de votos suficiente para vencer.

Gazeta Press
Ex-judoca Aurélio Miguel é um dos nomes fortes da oposição do São Paulo Futebol Clube
O ex-judoca Aurélio Miguel, forte membro da oposição são-paulina, admite que Juvenal Juvêncio deverá sim cumprir seu mandato até o fim, já que o julgamento do mérito da questão, em Brasília, deverá demorar mais alguns, quando o atual presidente já tiver terminado o seu período à frente do clube.

> Siga o iG São Paulo no Twitter

“Nós sabemos que a Justiça demora para ser feita. Até o julgamento em última instância desse processo, o Juvenal já vai ter completado seu terceiro mandato consecutivo, o que é um absurdo”, disse Aurélio em contato recente com o iG.

Mesmo descrente, a oposição vai continuar tentando anular mudança do estatuto e, consequentemente, o mandato de Juvenal. Já a situação pretende manter o presidente no cargo até o fim. “Se ouvirmos as ideias do Lapolla, vira hospício. E, se cobrirmos, vira circo. Esse despacho é provisório e estamos assistindo a tudo de camarote. Mas nada vai mudar, o Juvenal só sairá em 2014, no fim do seu mandato”, reforçou Carlos Miguel Aidar.

Entre para a Torcida Virtual do São Paulo e comente a situação do presidente do clube

 

Leia tudo sobre: São PauloJuvenal Juvêncio

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG