André Luiz de Oliveira pretende ser terceira via nas eleições do clube agradando sócios

Andrés Sanchez deixará o posto de presidente do Corinthians em dezembro após as eleições. Seu candidato é Mário Gobbi, ex-diretor de futebol. Da oposição, Paulo Garcia deve ser a opção. E seis meses antes do pleito, um terceiro nome aparece forte dentro do clube: André Luiz de Oliveira, diretor administrativo corintiano que se mexe para justificar uma chapa encabeçada por ele.

André Luiz de Oliveira, diretor administrativo do Corinthians
Bruno Winckler
André Luiz de Oliveira, diretor administrativo do Corinthians

Siga o Twitter do iG Corinthians

Popular entre os sócios por tratar bem das dependências do Parque São Jorge, André tem feito alguns agrados para vários setores de sócios. Segundo alguns deles ouvidos pelo iG, Oliveira deu “de presente” o uniforme de alguns times de sócios que jogam nas quadras de society do clube. “É normal ele fazer isso, não significa nada de mais. Como diretor administrativo do clube isso é da função dele”, disse o diretor de futebol Roberto de Andrade, que não acredita que Oliveira saia como candidato.

Entre para a torcida do Corinthians e convide seus amigos

Recentemente, Oliveira pagou um churrasco para os sócios. “Ele é muito popular. Todos o conhecem. Se for candidato, com certeza ganha muitos votos dos sócios”, disse um dos sócios que ganhou um dos uniformes para seu time no clube. Vale lembrar que desde a mudança de estatuto promovida por Andrés Sanchez, sócios com registro de mais de cinco anos de pagamento em dia têm direito a voto para presidente.

Nas últimas semanas, em evento de comemoração do seu aniversário, André de Oliveira lançou a campanha “Fica, Andrés” pela reeleição de Sanchez. O diretor corintiano inclusive tem enviado e-mails para sócios mostrando sua vontade de ver Sanchez continuar seu mandato. O iG teve acesso a um desses e-mails. A tática, porém, só reforça a ideia de que ele será candidato em dezembro.

Graças ao atual estatuto corintiano está proibida qualquer reeleição para presidente. Mostrar-se favorável á permanência da política de Andrés é a saída para Oliveira posicionar-se ao lado da situação sem se colocar contra a candidatura de Gobbi. O diretor administrativo, contudo, mantém-se com discurso oficial de que apoia quaisquer decisões de Sanchez. “Escreve aí. Eu não sou candidato. Eu quero é que o Andrés continue”, disse Oliveira ao iG. “É uma honra quando as pessoas falam que posso ser candidato, mas a eleição é em dezembro. É cedo ficar falando de candidato”, completou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.