Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Algoz de paraguaios, Cruzeiro vive mais um capítulo da rivalidade

Time mineiro nunca perdeu para times do país vizinho na Libertadores e agora encara o eliminado Guaraní

Frederico Machado, iG Belo Horizonte |

A guerra do Paraguai é considerada o maior conflito armado ocorrido na América do Sul, com mais de cinco anos de batalhas (1864 a 1870). Brasil e Paraguai estiveram em lados opostos nas fronteiras, e às vezes parece que a rivalidade ainda persiste até os dias de hoje.

Exemplo disso é a última partida do Cruzeiro em uma Copa Libertadores no país vizinho, quando o time saiu de campo debaixo de pedradas. Mas o time mineiro não se intimidou e deixou o campo com uma vitória sobre o Cerro Porteño e a classificação para a fase de grupos do torneio continental. E, nessa quarta-feira, o time celeste tem mais um compromisso cheio de rivalidade pela frente.

O Cruzeiro já está no Paraguai, mais precisamente em Assunção, onde enfrenta o já eliminado Guaraní na próxima quarta-feira. O time mineiro é o líder do Grupo 7 com dez pontos ganhos, enquanto os paraguaios, sem pontuação, não têm mais chances de classificação.

Para conseguir matematicamente a classificação, basta um empate no Paraguai. E se depender do retrospecto do time mineiro na Libertadores contra paraguaios a torcida pode ficar animada. Foram nove partidas contra times daquele país, com oito vitórias e um empate. No total, foram 30 gols marcados e apenas 12 sofridos.

No estádio Defensores Del Chaco, local da partida, as lembranças também são boas. Lá, o Cruzeiro conseguiu a classificação na pré-Libertadores de 2008 sobre o Cerro Porteño, com uma vitória por 3 a 2 (gols de Thiago Heleno, Marcelo Moreno e Ramires). A torcida paraguaia se indignou com o resultado e passou a atirar pedras e garrafas no campo de jogo.

Getty Images
O árbitro chilheno Carlos Chandia, que apitou o turbulento jogo contra o Cerro Porteño
O juiz chileno Carlos Chandía encerrou a partida aos 24 minutos do segundo tempo, alegando falta de segurança para prosseguir com a partida. Dos cruzeirenses que estiveram em campo naquele jogo, apenas o goleiro Fábio e o volante Marquinhos Paraná devem participar do duelo de quarta-feira, contra o Guaraní.

Confiança
O time mineiro chegou com muita confiança à capital paraguaia. A vitória no clássico sobre o América-MG, no último domingo, encheu o time de moral para o duelo na Libertadores. “Acho que cada vitória nos dá mais confiança. Nos mostra um time equilibrado, competitivo. É uma outra competição, a Libertadores é bem diferente. Esse jogo no Paraguai é importante e vamos com força máxima, ainda com o Victorino e o Henrique, para que nosso time fique ainda mais encorpado”, disse o meia Roger.

Confira o desempenho do Cruzeiro contra paraguaios na Libertadores:
9 jogos
8 vitórias
1 empate
30 gols marcados
12 gols sofridos
 

Leia tudo sobre: CruzeiroCopa Libertadores 2011

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG