Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Adriano vai voltar ao futebol brasileiro: "É um sinal de Deus"

Atacante esclareceu que está preocupado e com saudades dos seus filhos, que não foram para a Itália

AE |

Getty Images
Após polêmica e curta passagem de Adriano pela Roma, ele já quer voltar ao Brasil
Após rescindir contrato com a Roma, na terça-feira, o atacante Adriano entrou na lista de reforços de diversas equipes. O jogador, porém, disse nesta quarta que quer retornar ao futebol brasileiro e praticamente descartou um eventual acordo com clubes do exterior. Adriano disse que está em paz com a decisão de deixar a Itália, argumentou que suas atitudes recentes foram mais sensatas que as do passado e citou até a influência de Deus em sua decisão de jogar novamente no Brasil.

"Estou abrindo mão de muito dinheiro, mas para mim a coisa mais importante é ser feliz. E depois o dinheiro chega. Estou bem satisfeito por poder sair daqui com a cabeça erguida. É claro que meus companheiros talvez precisassem de mim, mas eu percebi que não podia mais. Foram muitas contusões, e eu sou uma pessoa muito sensível. Como pego as coisas pelo lado pessoal, no fim fico triste. Por isso decidi voltar", declarou Adriano, em entrevista à TV Sky Itália.

As seguidas lesões, na visão de Adriano, seriam uma "mensagem divina" para que retornasse ao Brasil. "É difícil quando as coisas vão assim. Nunca me machuquei tanto numa temporada, talvez tenha sido um sinal de Deus: ‘É melhor que você volte ao Brasil’. São coisas que acontecem na sua vida e que talvez ocorram porque você deve fazer uma escolha”.

Segundo o jogador, porém, a principal razão para o retorno é a saudade da família. "Eu tenho dois filhos, não estou junto com a mãe deles e eles fazem muita falta. São muito ligados a mim, e quando falo com eles pelo telefone tenho vontade de chorar. Eu não posso ficar mais longe deles", disse Adriano.

"As pessoas podem perguntar: 'mas porque eles não vem para a Itália?'. Não é fácil trazê-los para cá. Tem minha mãe e meu irmão, que está jogando no Flamengo. Seria um egoísmo da minha parte se eu trouxesse minha mãe para cá. Tenho 29 anos e tenho que me curar sozinho. As coisas pesam muito nas minhas costas: a família, os filhos, tantas coisas... E isso me faz mais pensar que o certo é voltar ao Brasil para ficar perto deles", prosseguiu.

Lesões, baladas e amadurecimento

Apesar das polêmicas em que se envolveu ultimamente, Adriano vê as lesões como principal fator para o insucesso na Roma. "Não tive sorte nesta temporada. Quando comecei a treinar bem, me machuquei a primeira vez, no adutor, e parei por quase dois meses. Depois voltei e joguei uma partida no segundo tempo, o Ranieri [técnico da Roma] viu que eu estava progredindo e aí eu machuquei o tornozelo e parei por mais dois meses. Depois ainda me machuquei nas costas", afirmou.

O mais recente problema físico do jogador foi uma lesão no ombro sofrida em partida contra a Lazio, pela Copa da Itália, no dia 19 de janeiro. Ele chegou a retornar ao Brasil para o tratamento, foi visto bebendo chope numa churrascaria e até foi parado numa blitz de trânsito. Na volta à Itália, se atrasou e entrou em conflito com a diretoria da Roma. O problema foi a gota d'água para os dirigentes da Roma, que desde então passaram a cogitar a recisão contratual.

Entre tantos problemas, tanto físicos quanto de comportamento, Adriano entende que amadureceu. "Eu poderia ter ficado no Brasil nesta última vez, mas não queria cometer o mesmo erro que cometi com a Inter, quando errei ao não voltar à Itália e conversar para resolver a situação", afirmou.

Brasileiros sonham com o atacante

Os principais interessados no futebol do atacante são Palmeiras e Flamengo. O Corinthians tentou contratar o jogador no início do ano, mas a chegada de Liedson diminui as chances de Adriano. O Newcastle, da Inglaterra, também estaria de olho em seu futebol, mas a vontade do jogador de voltar ao Brasil impede o acerto.

No período em que esteve na Roma, Adriano entrou em campo apenas olito vezes, num total de 357 minutos jogados. Levando em conta o salário anual de 2,85 milhões de euros (R$ 6,5 milhões), Adriano custou ao time italiano R$ 10,6 mil por minuto jogado.

Leia tudo sobre: Adrianofutebol mundialmercado da bolaroma

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG