Tamanho do texto

Treinador do São Paulo tem 19 jogos completos, com o aproveitamento de apenas 47,3%

No próximo domingo, Adilson Batista enfrentará o Atlético-GO , o adversário de sua estreia no São Paulo . De lá para cá, foram 19 jogos pelo clube no Campeonato Brasileiro , com um aproveitamento de 47,3% (seis vitórias, nove empates e quatro derrotas), bem aquém do considerado satisfatório. Mas o técnico concorda com as cobranças do presidente Juvenal Juvêncio ao time e não vai assumir a culpa sozinho.

Leia também : Sem gol, nem vitória, Luis Fabiano compensa sucesso de marketing

"Eu esperava uma pontuação maior, ter vencido alguns jogos. Mas no futebol precisamos aprender a dividir a responsabilidade", afirmou o comandante, com discurso similar ao adotado pelo mandatário do Tricolor para proteger seu profissional, que sofre com pressão cada vez maior da torcida.

"Não peço trégua [à torcida]. É que tivemos desatenções e a carga vem em cima do treinador. Mas trabalhamos para melhorar e que não aconteçam alguns erros que tivemos em jogos passados", comentou o treinador, que sempre abre um sorriso ao ouvir que Juvenal o apoia incondicionalmente.

E ainda: Incomodado com jejum, Adilson exige o fim dos erros em Goiânia

"Tenho suporte. Estou bem consciente e tranquilo. Vou trabalhando e tentando dar o meu melhor. Sei como funciona o futebol, é em função dos resultados, mas o torcedor tem comparecido, incentivado, apoiado e vê bons jogos. Espero conquistar a torcida com resultados", projetou.

Resultados que têm faltado. Embora na quarta colocação, a três pontos do líder do Brasileiro , Adilson sabe que sua equipe, atualmente há cinco jogos sem vencer, vacilou demais na busca pela ponta da tabela. Faz questão de manter a cobrança interna, mas ainda não engoliu empates como os contra Atlético-GO e Atlético-PR , no Morumbi, e América-MG , em Sete Lagoas (MG).

"Já mostrei e falei para eles, mas isso fica comigo. Temos dificuldades, mas não dá para ficar lamentando. É vivenciar o presente, que está perto. Temos que vencer", cobrou, de olho no confronto do fim de semana no Serra Dourada. O comandante cobra reação imediata de um plantel apontado como um dos mais fortes do País.

"Nem sempre o melhor vence. O São Paulo tem uma grande elenco, com ótimos jogadores, talentosos, que chamam a responsabilidade e atraem o respeito dos adversários. Além de uma ótima organização e uma estrutura fantástica que dá condições aos seus profissionais. Mas briga em igualdade com os demais", opinou. Ciente de que equilíbrio não basta mais - é necessário vencer e interromper tantos empates.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.