não têm nenhum cabimento , diz Conmebol - Futebol - iG" /
Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Acusações de suborno não têm nenhum cabimento , diz Conmebol

Ricardo Teixeira e outros membros do Comitê Executivo da Fifa são acusados de terem recebido dinheiro de uma empresa de marketing esportivo

EFE |

A Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) alegou por meio de nota nesta segunda-feira que as acusações de recebimento de subornos por parte de Ricardo Teixeira e outros membros do Comitê Executivo da Fifa "não têm nenhum cabimento". "Cada vez que tentam criar polêmica, renovam as acusações", disse o porta-voz da Conmebol, Néstor Benítez.

O presidente da entidade sul-americana, o paraguaio Nicolás Leoz, e o mandatário da Confederação Africana de Futebol (CAF), o camaronês Issa Hayatou, são, junto com Teixeira, os outros acusados de terem recebido dinheiro de uma empresa de marketing esportivo que administrava a venda dos direitos audiovisuais das competições da Fifa, segundo investigações da rede britânica "BBC".

Benítez disse que a Conmebol rejeita taxativamente as acusações e lembrou que, no caso de Leoz, a própria Fifa desprezou outra insinuação anterior após concluir que "nada existia". Em setembro de 2006, o jornal britânico "The Guardian" disse que Leoz foi acusado pela Justiça suíça de ter recebido pagamentos no valor de 211.625 euros, efetuados em 2000 pela empresa ISMM-ISL.

"O presidente da Confederação viaja com assiduidade à Suíça e jamais teve problemas com ninguém", afirmou Benítez, que explicou que Leoz se encontra em Zurique à espera da reunião executiva de quinta-feira, na qual o Comitê Executivo da Fifa determinará as sedes das Copas do Mundo de 2018 e 2022.

Segundo a "BBC", Teixeira, Leoz e Hayatou, todos membros do Comitê Executivo da Fifa, aceitaram em 1990 subornos de até 76 milhões de euros. O programa "Panorama", da rede britânica, informou que os três dirigentes receberam dinheiro da ISL, que faliu em 2001.

Para a organização do Mundial de 2018, a Inglaterra concorre com a Candidatura Ibérica (Espanha e Portugal), a parceria entre Bélgica e Holanda e a proposta da Rússia. Para 2022, os aspirantes são Austrália, Estados Unidos, Japão, Catar e Coreia do Sul.

Em sua reunião executiva do dia 25 de novembro, em Assunção, a Conmebol tornou público o apoio da entidade à Candidatura Ibérica, e o secretário-geral da entidade, o argentino Eduardo Deluca, alegou razões de afinidade esportiva e cultural.

Leia tudo sobre: fifafutebol internacional

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG