Publicidade
Publicidade - Super banner
Futebol
enhanced by Google
 

Abel Braga critica futebol e ambiente ruim do Fluminense

Futuro técnico da equipe não tem gostado nada das notícias que recebe das Laranjeiras e cobra mais união

iG Rio de Janeiro |

Não é só da desastrosa atuação da equipe na derrota por 3 a 0 para o Libertad que Abel Braga, o futuro técnico do Fluminense, não gostou. A postura da equipe e os recentes problemas nos bastidores do clube incomodam o treinador. Perto de se tornar campeão nos Emirados Árabes e de malas prontas para voltar ao Brasil, Abel não esconde a decepção com a eliminação do Tricolor carioca na Libertadores e com a falta de comando do futebol.

Siga o iG Fluminense no Twitter e receba todas as informações do seu time em tempo real

“Não gostei da postura contra o Libertad. Você não pode administrar vantagem, e foi o que aconteceu. A situação atual não é nada favorável e não condiz com a grandeza do clube. Muito disse me disse, muitos problemas fora de campo. O momento era extremamente importante e a coisa desandou”, lamentou Abel em entrevista à "Rádio Globo".

Gazeta Press
Abel Braga já percebeu que terá muito trabalho pela frente nas Laranjeiras

Conhecido pelo estilo linha dura, mas ao mesmo tempo boleirão, o treinador afirmou que pretende fazer sérias mudanças quando chegar. “Quero fazer um time mais homogêneo, mais fechado, mais unido. Quero criar uma identidade que vem pelo equilíbrio. O Fluminense tem um grande time, um grande patrocinador, então há situações que não dá para entender direito. Depois do título brasileiro, alguma coisa está acontecendo”, apontou.

Abel Braga só vai ser apresentando nas Laranjeiras a tempo de dirigir a equipe contra o São Paulo, na primeira rodada do Campeonato Brasileiro, caso o Al Jazira conquiste o título nacional no Emirados Árabes, dia 16.

Ex-jogador do Fluminense, Abel sempre se caracterizou por sua raça em campo, mas lembrou que isso de nada adiante se o time não fizer o dever de casa.

“O Fluminense se acostumou com as dificuldades, mas o clube parece que não lida bem com as facilidades. Tem um sentimento de heroísmo nos momentos mais difíceis, e num momento como esse, muito mais fácil, a coisa não fluiu. Não adianta ser herói num dia e o inverso no outro. O equilíbrio é o que faz a diferença”, disse o treinador.

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG