Campeão da Copa do Presidente, nos Emirados Árabes, treinador ainda não sabe quando se apresenta ao clube

Campeão da Copa do Presidente, competição similar à Copa do Brasil, pelo Al Jazira, nos Emirados Árabes, o técnico Abel Braga desmentiu nesta segunda-feira de que seu acordo verbal com o presidente Peter Siemsen para dirigir o Fluminense estaria ameaçado.

Em entrevista à "Rádio Globo", o treinador disse que só não será treinador do clube das Laranjeiras se os dirigentes tricolores mudarem de idéia. “Isso não procede. Eu continuo apalavrado com o Fluminense. Mas vamos esperar o momento certo, pois qualquer tipo de pronunciamento agora pode ser mal-interpretado. Não vale a pena”, afirmou Abel.

A certeza de que em breve estará de volta às Laranjeiras é tão grande por parte do treinador que ele já começa a se planejar para colocar o despertador para madrugar dia 20 de abril e acompanhar o jogo decisivo contra o Argentino Juniors.

“Estou acompanhando a equipe e vi os jogos contra o América-MEX e o Americano. Eu vou torcer muito no próximo jogo pela Taça Rio e depois tem o jogo na Argentina, apesar de que aqui começa às 5h. Tenho que procura dormir mais cedo e colocar o despertador para a hora da partida, Mas eu estou ligado”, disse o treinador.

E pelo visto está mesmo. Ciente dos recentes rumores sobre possíveis divergências entre o presidente do clube, Peter Siemsen, e Celso Barros, presidente da Unimed , Abel tratou de esclarecer tudo na última conversa com o mecenas tricolor.

“Da última vez que falei com o Celso eu perguntei e se estava havendo algum problema e que eu não gostaria de ser o motivo. Na mesma hora ele me disse que não havia problema nenhum e que as divergências eram normais e que não estão atrapalhando em nada o comportamento do grupo.”

Sobre uma possível sondagem ao zagueiro Fabiano Eller, com quem o treinador trabalhou e conquistou títulos pelo Vasco, Flamengo, Fluminense e Internacional, Abel Braga desconversou e disse que não seria ético ou coerente uma conversa com qualquer atleta neste momento.

“Fui campeão com o Fabiano Eller no Vasco, no Flamengo, em 2004, no Fluminense, em 2005 e no Inter, em 2006, com as conquistas da Libertadores e do Mundial. É um jogador que traz sorte e comigo sempre foi campeão. Mas daqui eu não posso de maneira nenhuma ficar falando sobre qualquer jogador porque eu não estou participando do trabalho e só conheço 65%, 70% do elenco."

"Eu ainda não levei nada aos dirigentes daqui e não quero que pareça que eu já estou com a cabeça no Brasil. Mas estamos dez pontos na frente do segundo colocado no campeonato nacional a sete jogos do fim e caso o título se concretize por antecipação, aí vou tentar antecipar a minha volta."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.