Um ano depois de primeiro jogo oficial, estádio ainda tem áreas sem acabamento definitivo e finanças comprometidas

Estádio do Corinthians completa um ano de seu primeiro jogo oficial nesta segunda-feira
Reprodução/Facebook/Total Corinthians
Estádio do Corinthians completa um ano de seu primeiro jogo oficial nesta segunda-feira

Há um ano o Corinthians  fez seu primeiro jogo no estádio de Itaquera, sua casa definitiva. Foram 34 jogos e apenas duas derrotas, uma na abertura contra o Figueirense e outra no último jogo por lá, quarta-feira passada, no adeus da Libertadores contra o Guaraní. 

Esportivamente, o estádio é um sucesso para o Corinthians, que faz dele um combustível extra para as vitórias. Fora do campo, a arena ainda passa por obras (a cobertura dos prédios leste e oeste foi concluída apenas nesta semana), afasta o torcedor mais humilde e enfrenta um sério problema orçamentário. 

A engenharia financeira que fez o estádio ser erguido na zona leste paulistana ainda não está equacionada. E está longe de ser. O clube fracassou nas negociações dos naming rights, o empréstimo de R$ 400 milhões ao BNDES não foi pago e os CIDs, certificados de incentivo ao desenvolvimento, já emitidos pela Prefeitura, não podem ser vendidos pelo Corinthians por ordem judicial. Os documentos valem R$ 420 milhões e o clube chegou a cobrar da Prefeitura o pagamento desse valor

Veja fotos dos jogos realizados na Arena Corinthians desde sua abertura:

Em um ano, o Corinthians arrecadou R$ 70 milhões com bilheteria nos jogos disputados no estádio. Desse montante descontam-se as taxas das federações e os gastos operacionais, que somaram cerca de R$ 20 milhões. Assim, a receita líquida do estádio gira em torno dos R$ 50 milhões. Todo esse valor não vai para o clube, e sim para o fundo que administra o estádio, controlado pelo clube e pela Odebrecht.

A dívida do Corinthians com a construtora responsável pela obra já soma mais de R$ 400 milhões, dos quais mais de R$ 80 milhões são de juros. Em julho, o clube paga a primeira parcela da dívida com o BNDES, que segundo o Corinthians é de R$ 5 milhões. 

A arena foi orçada inicialmente em R$ 820 milhões. O valor final, no entanto, passou de R$ 1 bilhão. Um valor assombroso para um clube que no melhor ano da sua história, em 2012, teve superávit de apenas R$ 7,5 milhões. Já em 2014 o clube fechou com um déficit de R$ 97 milhões. O fracasso na tentativa de venda dos "naming rights" ajuda a explicar a crise. Andrés Sanchez, ex-presidente e responsável direto pelo estádio ter saído do papel, foi procurado para comentar o momento da Arena, mas não respondeu às perguntas da reportagem até o fechamento deste texto.

Nova torcida 
A torcida é usada pelo Corinthians para pagar essa conta . Os valores de bilheteria são os mais altos do Brasil e a média de público em 2015 é de 32.374 pagantes por partida. A renda, só neste ano, foi de R$ 31,6 milhões. Mas os bons números escondem uma realidade que afasta o clube de sua origem. 

Leia também:
+ Sem desespero e passiva, torcida corintiana muda sua relação com a Libertadores

O clube aplica o segundo ingresso mais caro do Brasil, atrás apenas do Palmeiras. Em média, o ticket dos jogos em Itaquera sai por R$ 65. O clube força seu torcedor a se associar ao seu plano de fidelização para ter descontos no valor de ingressos, mas muitos não têm condições de arcar com as mensalidades que vão de R$ 90 a R$ 720 por ano (sem considerar o preço do ingresso).

Ser "Fiel Torcedor", a princípio, serve apenas para entrar na fila pelo ingresso, fila que privilegia quem gasta mais com ingressos. Hoje o clube tem pouco menos de 110 mil associados. O maior público em jogos do Corinthians no estádio foi de 40.744 pagantes (no 0 a 0 com o San Lorenzo pela Libertadores).

Na partida contra o Guaraní, alguns torcedores moradores de Itaquera ficaram na grade do estádio, vendo apenas o telão e sonhando um dia estar ali dentro. A realidade financeira do país e o valor do ingresso aplicado pelo clube os afastam desse sonho. "Não é jogo. Agora é espetáculo. Pobre não pode ver", disse o pedreiro Nélio ao jornal Lance! durante a última partida do Corinthians no seu primeiro ano no novo estádio.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.