Asprilla teria ordenado ao piloto de um voo em Moscou que não deixasse a cabine para uniar, dando a ele uma garrafa vazia

Asprilla: medo de voar de avião
Divulgação
Asprilla: medo de voar de avião

O colombiano Faustino Asprilla, que defendeu o Palmeiras entre 1999 e 2000, ficou traumatizado com o acidente que matou 150 pessoas no voo 9525 da companhia Germanwings, no dia 24 de março. Tanto que ele revelou ter feito um insólito pedido ao piloto de um vooo que ele tomou em Moscou.

Leia mais: Copiloto da Germanwings sofreu grave depressão e teria namoro em crise

"Eu fui até a cabine do piloto e estritamente o proibi de sair para urinar, porque se aquele outro lunático se trancar na cabine, acontecerá o mesmo que naquele outro voo. Todos sabem disso", disse o ex-atacante através de sua conta no Instagram.

Veja também:  Airbus A320 da Germanwings levava passageiros de 15 nacionalidades

Asprilla disse ainda que tomou precauções para evitar uma situação desagradável na cabine do piloto. "Se quiser urinar, eu dei a ele uma garrafa de água vazia".

O acidente da Germanwings foi provocado pelo copiloto alemão Andreas Lubitz, de 28 anos. Quando o piloto foi ao banheiro, o copiloto assumiu o comando da aeronave e propositalmente a fez se chocar com uma montanha nos alpes franceses. O voo seguia de Barcelona, na Espanha, a Dusseldorf, na Alemanha

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.