Avaí e Atlético-PR são dois times de elite que penam na sua vizinhança. Entre os 12 grandes, Flu está fora de G4 no Carioca

Avaí tem dois jogos para evitar queda e não passar por mais vergonha antes do Brasileirão
André Palma Ribeiro/Avaí F.C.
Avaí tem dois jogos para evitar queda e não passar por mais vergonha antes do Brasileirão

Os campeonatos estaduais, da forma como ocorrem nos últimos anos, têm sido quase sempre uma grande pré-temporada para os times do Brasileirão. Muitas vezes protocolar, a disputa normalmente esquenta apenas contra os rivais da Série A que estão no mesmo Estado. É assim em Minas Gerais, no Rio Grande do Sul, no Rio e em São Paulo.

Mas em 2015, dois times que vão jogar a primeira divisão nacional na temporada convivem com algo raro para times da elite: lutam para não cair em seus estaduais. O Avaí , em Santa Catarina, e o Atlético-PR , no Campeonato Paranaense, estão no "quadrangular da morte", um torneio para decidir quem fica e quem cai de divisão. 

O Avaí, que volta para a Série A do Brasileirão nesta temporada depois de três anos na segunda divisão nacional, fez campanha vexatória na primeira fase. Terminou na lanterna entre os 10 times do Catarinense e ainda perdeu seis pontos por ter escalado o zagueiro Antônio Carlos de forma irregular. Ficou com um ponto apenas. 

Gilson Kleina comanda treino do Avaí
André Palma Ribeiro/Avaí F.C.
Gilson Kleina comanda treino do Avaí

A campanha culminou na demissão de Geninho, técnico que subiu o Avaí em 2014. Gilson Kleina, que passou por Palmeiras e Bahia no Brasileirão passado, é quem assumiu o clube. "Estamos indo para o final do campeonato e ainda não temos uma equipe base. Não importa a idade ou o nome, mas tem que querer resolver. A gente pode fazer melhor, dentro das nossas limitações. Se tiver que sair com o calção todo rasgado e sujo, vai ter que fazer isso", disse o treinador.

Já na disputa do quadrangular do rebaixamento, tem seis pontos em quatro jogos, a mesma pontuação de Guarani de Palhoça, Atlético Ibirama e Marcílio Dias, os outros desesperados. Os dois últimos caem para a série B catarinense. O Avaí ainda enfrenta o Guarani em casa e o Ibirama, fora.

Atlético-PR: mudança de planejamento

No Paraná, o Atlético vai iniciar sua disputa contra o rebaixamento neste domingo contra o Prudentópolis, em Curitiba. Como em Santa Catarina, o quadrangular da morte paranaense é disputado em jogos de ida e volta, totalizando seis datas. Rio Branco e Nacional são os rivais do Atlético nesta fase.

A peculiaridade do caso atleticano está na mudança de rumos no meio da competição. A utilização do time sub 23, hábito do clube nas duas últimas temporadas, durou apenas até a sétima rodada. Mario Celso Petraglia, presidente do clube, não escondia que o Estadual "não valia nada" e preferia manter seu time principal treinando na Europa até a estreia nas competições nacionais. 

Enderson Moreira, técnico do Atlético-PR depois da demissão de Claudinei Oliveira
Divulgação/CAP
Enderson Moreira, técnico do Atlético-PR depois da demissão de Claudinei Oliveira

Mas em 2015, a situação vinha sendo diferente, com oito pontos somados em 21 disputados, o time B foi tirado do campo. O time A, então treinado por Claudinei Oliveira, passou a ser escalado dois depois da volta da pré-temporada e somou apenas três pontos nas últimas quatro rodadas. Claudinei foi demitido antes da última rodada (derrota para o Londrina) e Enderson Moreira foi contratado para evitar o desastre. 

"Assumimos nossa culpa e responsabilidade perante os maus resultados no Campeonato Paranaense", disse Petraglia em nota oficial. "Fizemos nossa análise crítica e não identificamos razões suficientes claras para esta queda, pois, com praticamente o mesmo grupo de jogadores de 2014, quando enfrentamos adversários muitos mais qualificados no Campeonato Brasileiro, chegamos entre os 8 melhores", completou. 

Entre grandes, só Flu estaria fora das finais

A realidade dos outros 18 clubes da Série A é bem diferente das de Avaí e Atlético-PR. Não há nenhum ameaçado, ainda que nem todos estejam em condições favoráveis na briga por um lugar nas fases de mata-mata de seus torneios regionais. 

Veja a classificação, tabela de jogos, artilharia e notícias do Campeonato Carioca

O Fluminense é o único entre os principais clubes do País que não estaria nas fases finais de seu Estadual. Em quinto lugar no Carioca , o clube que recentemente trocou Cristóvão Borges por Ricardo Drubscky no comando da equipe, precisa vencer Flamengo e Madureira nas duas últimas rodadas para conseguir a vaga entre os quatro melhores sem depender de nenhum outro resultado.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.