Lista da revista "World Soccer" traz brasileiros nada conhecidos no País. Joãozinho, Wanderson e Ari brilham no Krasnodar

Joãozinho, atacante do Krasnodar
Divulgação/Krasnodar
Joãozinho, atacante do Krasnodar

O Brasil foi o país com mais nomes citados na lista dos 500 jogadores mais importantes do mundo  da revista "World Soccer" publicada na sexta-feira. Ao todo foram 54 jogadores do País na relação. Destes, alguns são pouco conhecidos no País, especialmente o trio de ataque do Krasnodar, terceiro colocado do Campeonato Russo. 

Joãozinho, Wanderson e Ari estão ao lado de craques da seleção brasileira e de 21 jogadores que atuam em clubes do País. Na lista da revista, os jogadores escolhidos foram divididos em cinco categorias: 1) boa fase em 2015;  2) jovens talentos; 3) jogadores-chave em sua seleção nacional, 4) craque mundial e 5) rende assunto fora do campo (nesta última está Emerson Sheik, do Corinthians). 

Wanderson, que tem 29 anos, foi tratado como jogador em boa fase em 2015. De acordo com a revista, o futebol do atacante "floresceu" na Rússia nos últimos dois anos. Formado no Ceará, Wanderson fez carreira no Gais, da Suécia, onde jogou de 2007 e 2010. Depois foi para o Al Ahli, da Arábia Saudita, e está no Krasnodar desde 2012. 

Os 21 jogadores que atuam no Brasil na lista dos 500 melhores da "World Soccer"

Ari, 29 anos, tem uma trajetória mais consistente na Europa. Formado no Fortaleza, também jogou na Suécia. De lá foi para o AZ Alkmaar, da Holanda, e depois para o Spartak Moscou. Está no Krasnodar desde 2013. Na revista entrou na categoria "assunto fora dos campos". A Rússia tenta naturalizá-lo para defender a seleção do país.

Joãozinho é mais novo. Tem 26 anos e foi formado pela Portuguesa, onde jogou a Série B de 2007. De lá foi para o Levski Sofia, da Builgária, onde foi campeão. Está no Krasnodar desde 2011 e está bem adaptado à Rússia, como pode ser visto neste vídeo abaixo. Na última semana sofreu fratura na perna esquerda e só deve voltar a jogar na próxima temporada. 


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.