Atacante brasileiro, que marcou o gol do Zenit no empate por 1 a 1 com o Torpedo Moscou, ouviu rivais imitando macaco

O atacante brasileiro Hulk, do Zenit, da Rússia, é a mais nova vítima de racismo no futebol mundial. Torcedores do Torpedo Moscou emitiram som de macaco quando o atacante tocava na bola durante o jogo, que aconteceu na cidade de Ramenskoe e terminou empatado por 1 a 1. O brasileiro marcou o gol do Zenit.

Leia mais: Vítima de racismo em metrô de Paris rejeita ida para jogo do Chelsea

Hulk em ação pelo Zenit contra o Torpedo Moscou: ofensas racistas
Epsilon / Getty Images Sport
Hulk em ação pelo Zenit contra o Torpedo Moscou: ofensas racistas

Ao perceber que estava sendo ofendido, Hulk mandou beijos aos agressores. Depois do jogo, ele falou sobre o incidente e pediu “respeito para todos os jogadores”. Já o técnico do Zenit, o português André Villas-Boas, disse que a atitude dos torcedores é “uma desgraça”.

Veja também: Racismo no futebol: Brasil debate penas, Itália indica caminho contrário

"O que vc pode fazer nessas situações além de reagir com um sorriso?", questionou Hulk depois do jogo. "Se eu reagir com respeito aos fãs, talvez eu tenha o mesmo em retorno".

Já Villas-Boas foi menos contido. "É uma desgraça para o futebol. É algo que não deveria acontecer. O Torpedo conquistou um ponto importante, mas deveria se sentir incomodado com o que ocorreu".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.