Organizadas de Vasco e Atlético-PR que brigaram em Joinville se reúnem em SP

Por Bruno Winckler - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Membros que chegaram a ser presos em 2013 conversaram na Câmara Municipal para evitar novo confronto no Brasileirão

Presidentes de organizadas de Atlético-PR e Vasco prometeram paz no encontro entre os dois times no Brasileirão
Bruno Winckler/iG
Presidentes de organizadas de Atlético-PR e Vasco prometeram paz no encontro entre os dois times no Brasileirão

Um encontro inusitado reuniu membros de torcidas organizadas de Atlético-PR e Vasco na Câmara Municipal de São Paulo na tarde desta terça-feira. Membros da "Fanáticos" e da "Força Jovem", torcidas envolvidas na pancadaria que marcou a última rodada do Campeonato Brasileiro de 2013 na Arena Joinville aceitaram convite para selarem a paz em "campo neutro". A câmara dos vereadores da capital paulista foi escolhida pela Anatorg (Associação Nacional de Torcidas Organizadas), entidade criada em dezembro para aproximar esses grupos. 

Entre os presentes na reunião estava Bruno "Fet" Pereira Ribeiro, presidente da Força Jovem desde 2012, e que esteve preso por causa briga em Joinville. Ao lado de Adilson Pereira, presidente da Fanáticos, disse que se arrepende do que fez. Ele jura que melhorou. 

Apesar de estar livre, "Fet" e outros 24 torcedores reconhecidos na briga de Joinville ainda serão julgados e respondem em liberdade pelos crimes em que foram denunciados. 

Briga entre torcedores de Atlético-PR e Vasco na Arena Joinville. Foto: CLEBER YAMAGUCHI/Agência Eleven/Gazeta PressBriga entre torcedores de Atlético-PR e Vasco na Arena Joinville. Foto: CLEBER YAMAGUCHI/Agência Eleven/Gazeta PressBriga entre torcedores de Atlético-PR e Vasco na Arena Joinville. Foto: CLEBER YAMAGUCHI/Agência Eleven/Gazeta PressBriga entre torcedores de Atlético-PR e Vasco na Arena Joinville. Foto: CLEBER YAMAGUCHI/Agência Eleven/Gazeta PressBriga entre torcedores no jogo Atlético-PR x Vasco. Foto: Giuliano Gomes/Gazeta PressTorcedor do Atlético-PR desacordado na briga ocorrida na Arena Joinville. Foto: Giuliano Gomes/Gazeta PressBriga entre torcedores no jogo Atlético-PR x Vasco. Foto: Giuliano Gomes/Gazeta PressBriga entre torcedores de Atlético-PR e Vasco na Arena Joinville. Foto: CLEBER YAMAGUCHI/Agência Eleven/Gazeta PressBriga entre torcedores de Atlético-PR e Vasco na Arena Joinville. Foto: Giuliano Gomes/Gazeta PressBriga entre torcedores de Atlético-PR e Vasco na Arena Joinville. Foto: CLEBER YAMAGUCHI/Agência Eleven/Gazeta PressTorcedores do Atlético-PR correm para fugir da fumaça após briga com vascaínos. Foto: Giuliano Gomes/Gazeta PressTorcedor do Atlético-PR é resgatado da arquibancada da Arena Joinville após ser espancado. Foto: JOKA MADRUGA/FUTURA PRESSPoliciais militares se aproximam de torcedor do Atlético-PR que se envolveu em briga. Foto: Giuliano Gomes/Gazeta PressHelicóptero da Polícia Militar desce no gramado para resgatar torcedor ferido. Foto: JOKA MADRUGA/FUTURA PRESS

O encontro aconteceu dois depois de torcedores de Vasco e Fluminense serem presos por briga antes do clássico do último domingo. "Temos de individualizar os crimes. Não punir a organizada inteira ou o clube", disse o presidente da Anatorg, André Azevedo, que também comanda a Dragões da Real, organizada do São Paulo.

Azevedo diz que não se arrepende em promover o encontro e que "Fet" tem "consciência dos erros e tem seu advogado para defendê-lo". "Estamos aqui para pensar no futuro. Os erros foram cometidos e essa ação é para tentar que eles não se repitam", disse.

Leia também: MP anuncia ação suspendendo organizadas de Fluminense e Vasco

O principal objetivo do encontro foi garantir que no próximo jogo entre os dois times haja paz. Rebaixado em 2013, o Vasco não enfrentou o Atlético-PR em 2014. "Nem tem quando vai ser a data do jogo no Brasileirão, mas é importante esse encontro", disse "Thirso", presidente da "Fanáticos" há oito meses.

Quatro membros de cada organizada estiveram em São Paulo para o encontro promovido pela Anatorg. A entidade reúne mais de 50 organizadas do Brasil. "Sabemos da nossa responsabilidade nesse problema e estamos buscando saídas. Há uma generalização das organizadas, muito pelo que fazem alguns dos seus membros, mas estamos começando esse trabalho, tentando conscientizar a todos". 

Um consenso entre as duas torcidas foi de que a briga de Joinville não teria acontecido se houvesse policiais dentro da arena da cidade. Por um determinação do Ministério Público de Santa Catarina, a presença da PM foi vetada pelo fato de o jogo ser um evento privado. "Não justifica a briga, foi lamentável, mas por tudo que estava em jogo naquele dia, tinha tudo para dar errado e deu", disse "Fet". O Vasco perdeu por 5 a 1 e foi rebaixado. 

Jonathan dos Santos, diretor da torcida do Vasco que também esteve preso pela briga em Joinville, foi outro que esteve em São Paulo na terça. "A organizada tem de ser incentivada a acabar com esse problema, não ser julgada como vândalos e coisa desse tipo", disse. "Esta é uma nova era, um novo momento, vamos caminhar de cabeça erguida, sem novas cenas de confronto", prometeu. 

Para o presidente da torcida atleticana, o saldo do encontro foi positivo. "Conclusão que chegamos é que não pode acontecer mais esse horror, aquele espetáculo que ocorreu em Joinville. Tem de respeitar. Estamos vendo o trabalho de paz da Anatorg e esse é o futuro das torcidas organizadas", disse "Thirso". 

Leia tudo sobre: vascoatlético-prbrasileirãoviolênciaorganizadas

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas