Tabela do Paulistão prevê três jogos entre 22 e 26 de março e clube tenta alterar uma dessas partidas. FPF "lava as mãos"

A segunda partida que o Corinthians  fez pela primeira fase da Libertadores contra o Once Caldas foi disputada em data com rodada normal do Campeonato Paulista e, por isso, o clube vai ter de pagar um preço alto. Uma maratona de jogos pelo Estadual com intervalo inferior a 48 horas entre elas está prevista para o mês de março. 

Por conta do jogo do dia 11 de fevereiro, em Manizales, marcada para a mesma data da 4ª rodada do Paulistão, o jogo do Corinthians contra a Portuguesa, que aconteceria no mesmo dia, foi adiado para 24 de março, uma terça-feira.

Acontece que no dia 22, dois dias antes, a tabela do Estadual no site da Federação Paulista informa que o Corinthians deverá enfrentar o Capivariano, fora de casa. Pior: no dia 26, outro jogo do Paulistão está agendado para o Corinthians, contra o Penapolense, em Itaquera. As partidas contra os times de Capivari e Penápolis ainda não tiveram seus horários divulgados, mas acontecem com intervalo de 48 horas. 

Previsão de jogos do Corinthians para o final de março.
Reprodução/corinthians.com.br
Previsão de jogos do Corinthians para o final de março.

No regulamento geral de competições, a federação usa um subtertúgio para permitir que tal desmando aconteça. O artigo 16 diz que atletas de um mesmo clube não atuar em jogos de intervalos inferiores a 60 horas. Porém, um parágrafo desse artigo autoriza a prática se a partida em questão tiver sido transferida para aquela data. 

A Federação Paulista, por enquanto, não considera mudar as datas. "De acordo com o Departamento de Competições o Corinthians terá esta sequência de jogos em função das datas da pré libertadores serem as mesmas do Campeonato Paulista. Como não há datas disponíveis, houve um remanejamento das rodada 2 e 4 adaptando jogos de dois em dois dias", disse a entidade em contato com a reportagem.

Regulamento geral da FPF. Artigo permite que jogos de dois em dois aconteçam no Paulistão. Clubes concordaram com medida.
REPRODUÇÃO/FPF
Regulamento geral da FPF. Artigo permite que jogos de dois em dois aconteçam no Paulistão. Clubes concordaram com medida.



A diretoria do Corinthians espera pelo bom senso e que pelo menos um jogo seja remanejado. Ainda assim já trabalha com a possibilidade de ter de fazer dois jogos em três dias no próximo mês. A partida contra o Capivariano poderia ir para o dia 21, sábado, mas os jogos dos dias 24 e 26 não possuem outra data possível para serem transferidas.

"Vamos tentar mudar de domingo para sábado. Seria o ideal. Mas não depende da gente, depende da Federação, depende da televisão, de vários fatores. Vamos até solicitar, mas vamos ver se vamos ser atendidos", disse o presidente corintiano, Roberto de Andrade,.

Um outro caso de jogos em intervalo curto está previsto para os dias 15, domingo, e 17 de março, uma terça. Para a primeira data está marcado o jogo contra o Red Bull pela 10ª rodada em Itaquera. Dois dias depois, o adversário será o Danúbio, pela Libertadores, no Uruguai. Neste caso específico, a tendência é que o jogo do Paulistão seja transferido para sábado.

Corinthians terá de jogar três vezes em cinco dias no final de março
Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians
Corinthians terá de jogar três vezes em cinco dias no final de março

Sindicato condena Federação
A resolução da FPF vai contra o que pede a Fenapaf (Federação Nacional dos Atletas Profissionais de Futebol). A entidade sugere que nenhum clube atue em intervalos inferiores a 72 horas. No final de 2014, a 8ª Vara do Trabalho de Campinas condenou a CBF a respeitar esse período após ação da Fenapaf. Porém, ela serve apenas para competições nacionais. O Paulistão, por exemplo, obedece as regras da FPF.

Em 2013, o Sapesp (Sindicato dos atletas de São Paulo) intercedeu a favor do São Paulo e do Santos, que tiveram jogos do Brasileirão adiados.

"Esgotamos todas as possibilidades numa negociação - em 2013, quando tivemos problemas com a remarcação dos jogos do São Paulo FC e Santos FC, em que não conseguimos as mudanças que pudessem preservar a integridade física dos jogadores. Desta forma, propusemos uma ação judicial e obtivemos a sentença de primeira instancia favorável ao intervalo de 72 horas", disse o órgão em nota.

"O problema é que na sentença a juíza restringe o pedido para os jogos organizados pela CBF - e agora temos jogos organizados pela FPF e Conmebol - assim, e em vista dessa situação temos que entrar com um pedido para que os efeitos da sentença atinja todas as competições realizadas em nosso país". O órgão reitera que desta vez ninguém do Corinthians entrou em contato para mover alguma ação contra a FPF, o que ajudaria no processo.

Advogados pedem respeito a atletas 
Para Roberto Armelin, da Comissão de Direito Desportivo do IASP (Instituto de Advogados de São Paulo, a questão do intervalo entre partidas de futebol sempre fez parte das discussões dos envolvidos no esporte, mas precisa ser mais respeitada, já que o futebol não é mais só uma modalidade, mas "uma máquina de entretenimento geradora de riquezas".

“O atleta depende de seu corpo para desempenhar seu potencial e, pois, proporcionar o melhor espetáculo possível, potencializando investimentos, receitas, lucros e distribuição de renda. O atleta de futebol precisa recuperar-se fisicamente da disputa de uma partida, conforme especialistas fisiologistas atestam há anos", disse Armelin em nota no site da IASP. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.