Jogadores treinados por Tite em sua última passagem pelo Corinthians vêem diferenças no antes e depois de 2014

Jogadores do Corinthians notam diferenças de Tite após ano de estudos do técnico
Getty Images
Jogadores do Corinthians notam diferenças de Tite após ano de estudos do técnico

Tite não dirigiu nenhuma equipe em 2014. Deixou o Corinthians em dezembro de 2013 e o reassumiu no início de 2015. Nesse período virou notícia especialmente pelas visitas que fez a técnicos consagrados na América do Sul e na Europa. Diz que estudou novos estilos, renovou conceitos e aprimorou técnicas. E em seis jogos oficiais nesta temporada, a impressão deixada pela equipe que ele comanda é muito boa. 

Para quem conheceu Tite entre 2011 e 2013, o técnico está mudado. O time muito forte defensivamente que gostava de montar deu lugar a um novo estilo, mais ofensivo e que valoriza os toques rápidos e a movimentação no ataque. Não é algo novo, mas que foi aprimorado pelo treinador, dizem os jogadores.

"Ele aperfeiçoou o treinamento do lado ofensivo, já que no defensivo ele sempre foi especialista", disse Fábio Santos, no clube desde janeiro de 2011. "O grupo tem entendido o que ele tem passado, que é marcar pressão, criar situações... e não é só com os 11 que começam, quem entra também faz o que ele tem pedido. Isso valoriza grupo e dá confiança para a sequência", completa. 

Leia também: Tite celebra superioridade, mas se desculpa por comemoração exaltada

Renato Augusto, que trabalhou com o técnico em 2013, também vê um novo jeito de trabalhar do técnico, especialmente no que se refere à valorização das triangulações e tabelas entre seus homens de meio campo e ataque. "Ele diz que hoje os jogadores da frente, não só atacantes, não podem mais ficar apenas na função específica, tem que ter movimentação constante. E isso facilita a troca de passes e as triangulações", disse o camisa 8. 

O estilo já foi até comparado aos melhores momentos do Barcelona de Pep Guardiola e seu "tiki-taka". Muita marcação sob pressão, valorização da posse de bola, passes curtos e rápidos, infiltrações e tabelas. 

Veja a classificação, tabela de jogos, artilharia e notícias da Libertadores

O padrão de jogo, reconhecem os atletas, não é muito diferente do deixado por Mano Menezes no final da sua passagem em 2014. Gols marcados contra Criciúma, Vitória e São Paulo, em jogos como mandante, mostram que o talento individual das peças corintianas permitem que tal estilo funcione. Ainda assim, a consistência defensiva exigida por Tite agrega ao novo estilo corintiano. 

"Tinha com com o Mano, mas não tanto. O Tite exige essas triangulações e nós nos conhecemos muito bem. Tem também o Sheik voltando, um cara que joguei por três, quatro anos ali na esquerda. Tem o Danilo, o Renato Augusto, Elias... todos jogadores de qualidade e o Tite incentiva a dar passes rápidos, fazer essas mudanças de espaço para sair jogando e no dia a dia a gente tem conseguido mostrar dentro de campo nos treinos e nos jogos", disse Fábio Santos.

Para Tite, nada seria possível não fosse o total comprometimento dos jogadores com o que ele pede. "O conjunto e como os atletas abraçaram essas ideias desde o primeiro momento é que são importantes", resumiu o técnico depois da partida contra o São Paulo na última quarta-feira.

Antes de voltar ao Corinthians, Tite esteve com Carlo Ancelotti, do Real Madrid, e também dividiu experiências com Carlos Bianchi, ex-técnico do Boca Juniors. Aproveitou ainda para assistir partidas dos campeonatos europeus e da Copa do Mundo in loco. Segundo ele, todas experiências válidas para se aprimorar, ainda que não tenha sido seu objetivo ficar sem clube em 2014.

"Eu tenho minha formação. (O bom momento do time) não é conversa. é treinamento. Acredito mais na ação do que no falar. Formei na PUC de Campinas (em educação física) e me aperfeiçoei, estudei mais", disse o técnico.

Em 2015 o Corinthians já fez seis jogos oficiais. Venceu cinco e empatou um. Marcou 13 gols e sofreu dois. É também o único time 100% no Campeonato Paulista. "O ano de 2015 começou muito bem, mas não só por causa do técnico. É a experiência de um grupo, é a rodagem dos atletas, é o treinamento. É toda essa engrenagem que começou muito bem e com isso vêm as boas atuações e os resultados", disse o técnico. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.