Confusão entre torcedores e forças de segurança mata ao menos 30 no Egito

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Torcedores do Zamalek entraram em choque com a polícia quando ingressavam no estádio para o jogo contra o ENPPI

Um confronto entre torcedores do Zamalek e forças de segurança egípcias terminou com ao menos 30 mortos e 20 feridos neste domingo, de acordo com agências internacionais. A confusão ocorreu quando torcedores entravam no estádio Air Defense, a leste do Cairo, para a partida que o time faria contra o ENPPI. O Campeonato Egípcio foi suspenso por tempo indeterminado.

Leia mais: Estádio da tragédia no Egito já foi a 'casa' da seleção brasileira

Confronto entre torcedores do Zamalek e forças de segurança no Cairo
AP Photo/Ahmed Abd El-Gwad, El Shorouk newspaper
Confronto entre torcedores do Zamalek e forças de segurança no Cairo

No Facebook, torcedores do Zamalek disseram que a confusão começou porque policias liberaram apenas um estreito corredor para que eles entrassem no estádio. Isso gerou tumulto, e a polícia reagiu com bombas de gás. No meio da confusão, muitas pessoas caíram e foram pisoteadas, segundo um torcedor que falou à agência Associated Press e não quis se identificar.

Já o MIniestário do Interior atribui o início da confusão à torcida do Zamalek. "Os torcedores do Zamalek tentaram entrar à força e nós tivemos que impedi-los de destruir a propriedade pública", disse o órgão em nota oficial.

Apesar da violência, o jogo foi realizado normalmente e terminou empatado em 1 a 1. O Zamalek, com 45 pontos, é o líder do Campeonato Egípcio, e o ENPPI está na segunda colocação, com 42 pontos.

Em fevereiro de 2012, uma confusão envolvendo torcedores do Al-Ahly e do Al-Masry, dentro do gramado do estádio de Porto Said, matou 74 pessoas. O caso levou as autoridades do país a proibir torcedores nos estádios, o que foi revogado neste mês.

Posteriormente ao massacre de torcedores, dois policias foram julgados e condenados a 15 anos de prisão por terem falhado na tentaiva de oferecer segurança aos fãs. A maioria dos mortos torcia pelo Al-Ahly.

Leia tudo sobre: egitofutebol mundial

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas