Atacante do Corinthians e lateral do Palmeiras atuaram juntos por Hamburgo e Bayern de Munique. Agora são rivais locais

Zé Roberto e Paolo Guerrero em treino do Hamburgo em 2009. Os dois são amigos
Joern Pollex/Bongarts/Getty Images
Zé Roberto e Paolo Guerrero em treino do Hamburgo em 2009. Os dois são amigos

O futebol é capaz de criar amizades e provocar reencontros em qualquer lugar no mundo. O clássico entre Palmeiras  e Corinthians  neste domingo, no Allianz Parque, vai reunir em lados opostos dois amigos de longa data. Do lado do time mandante, Zé Roberto. Do visitante, Paolo Guerrero. Mas diferentemente de 2013, quando apostaram cestas básicas, nenhum desafio foi combinado. É clima de rivalidade.

Leia também:  Palmeiras fortalece rivalidade e revitaliza clássico contra o Corinthians

Os dois jogaram juntos no Bayern de Munique e no Hamburgo na década passada e desde então mantém a amizade viva. "É sempre bom enfrentar o Zé Roberto, que é um grande amigo. Vai ser bom que seja em um clássico desse tamanho. Vamos ver quem leva essa", disse Guerrero, na quarta-feira, depois da partida do Corinthians contra o Once Caldas.

Veja a classificação, tabela de jogos, artilharia e notícias do Campeonato Paulista

Às vésperas do Dérbi, o peruano ligou para o amigo para entender melhor o que aconteceu na preleção antes da estreia do Palmeiras no Paulistão, sábado passado, contra o Osasco Audax.  O vídeo foi divulgado pela T V Palmeiras e chamou atenção pelo tom elevado e pela verborragia de Zé Roberto. Guerrero diz que nunca o vira assim, ainda que ele sempre tenha tido posição de líder nos grupos em que jogaram juntos. 

"No Hamburgo ele fazia essas coisas também. Eu vi algumas coisas, mas não assim tão forte, talvez pela questão da língua. Hoje eu falei com ele e disse que dessa vez ele me surpreendeu. Essa liderança faz parte da liderança do Zé Roberto. Ele é um cara experiente e muito gente fina", disse Guerrero. 

"Conversamos um pouco, porque fazia muito tempo que não nos falávamos. Relembramos um pouco o tempo que jogamos e moramos juntos em Munique e Hamburgo. Temos amizade entre famílias, mãe, e esposas que estão sempre em contato", revelou o palmeirense. 

Além de conhecer muito bem o peruano, Zé Roberto gostaria que pudessem reeditar a parceria. Mas avisa: tem como frear os gols do centroavante. "Quando você joga com um jogador que tem qualidade como o Guerrero, você quer sempre o  jogador ao seu lado. É um jogador de muita qualidade, mas nós temos aqui zagueiros que já passaram por esses desafios e já enfrentaram jogadores com a mesma qualidade do Guerrero e conseguiram dar conta do recado. Nós, da parte defensiva, sabemos o que vamos enfrentar. Ele é o jogador mais agudo da equipe deles". 

O clássico de domingo não será o primeiro duelo entre os dois amigos no futebol brasileiro. Pelo Grêmio, Zé Roberto enfrentou Guerrero pelo Corinthians em três jogos. O time gaúcho venceu uma vez (2 a 1, em agosto de 2014, com gol de Guerrero) e foram duas vitórias do time paulista (2 a 0 em julho de 2013 e 1 a 0 em novembro do ano passado, este último com gol do peruano).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.