Jean Chera admite que priorizou dinheiro e explica decisões que minaram carreira

Por Gabriela Chabatura - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Meia-atacante de 19 anos despontou no Santos junto com Neymar, passou sem sucesso por dez clubes e agora se diz concentrado em refazer a carreira jogando pelo Cuiabá

Jean Chera era apenas uma criança quando apareceu no Santos e foi apontado como um dos jovens mais promissores do futebol brasileiro ao lado de Neymar e Gabriel, o Gabigol. Recebia R$ 5 mil por mês aos nove anos de idade e participava de entrevistas e campanhas publicitárias. O tratamento era de estrela. No entanto, desde quando rompeu com a antiga diretoria e resolveu deixar a Vila Belmiro, há quatro anos, vive longe da badalação sem nunca ter decolado. Aos 19 anos, o meia-atacante tenta recomeçar a carreira no Cuiabá, seu décimo clube, nas disputas do Campeonato Mato-Grossense e da Série C do Brasileiro.

O atacante Jean Chera se apresenta ao Cuiabá
Pedro Lima/Cuiabá Esporte Clube
O atacante Jean Chera se apresenta ao Cuiabá

Leia também: De veteranos a eternas promessas, confira os reforços inusitados dos Estaduais

Mais maduro, Jean Chera diz que a questão financeira, tratada como prioridade no início da carreira, hoje não é motivo para preocupação e garante ter encontrado no Estado onde nasceu o lugar ideal para se concentrar e se recuperar. Em entrevista exclusiva ao iG, o meia afirma não se arrepender de ter saído do Santos em 2011 e revela ter sido iludido para deixar o Cruzeiro, no fim de 2013. Essa, a única decisão que ele considera um erro.

“Eu não me arrependo. Se eu estivesse lá ainda, já estaria jogando no profissional do Santos. Eu não tenho dúvidas. Não nos dávamos bem com eles (diretores e presidente Luís Álvaro de Oliveira Ribeiro) e foi quando, aos 16 anos, surgiu a proposta da Itália (do Genoa). Era a melhor proposta para a independência financeira que eu poderia fazer. Hoje eu não preciso jogar por causa do dinheiro. Minha família tem uma vida tranquila porque eu consegui ajudar”, justificou.

“Saí do interior do Mato Grosso de uma cidade de cinco mil habitantes. A minha família não tinha nada mesmo. Então, quando eu poderia ir para o profissional do Santos surgiu o negócio da Itália. Se eu tivesse ficado, não ia ganhar aqui o que eu ganhei na Itália com 16 anos. E, no futebol, é complicado porque não podemos saber o dia de amanhã”, completou.

Muito criticado por ter sido influenciado pelo pai Celso Chera, que era quem administrava a carreira dele, Jean transferiu a responsabilidade para os empresários Luiz e Thiago Taveira e detalhou os motivos que o fizeram rodar pelas categorias de base de Flamengo, Atlético-PR e Cruzeiro.  Os problemas vão desde atrasos salariais até uma proposta inexistente do West Ham, da Inglaterra.

Jean Chera e Neymar, juntos, quando ainda eram crianças e jogadores do Santos
RICARDO SAIBUN/Gazeta Press
Jean Chera e Neymar, juntos, quando ainda eram crianças e jogadores do Santos

“Aconteceram muitas coisas por onde passei. Erros meus e dos clubes. Quando eu estava no Flamengo, a presidente era a Patrícia Amorim e a gestão dela fez um contrato de três anos comigo. Mas no primeiro ano eu só recebi três meses. Eu estava morando no Rio de Janeiro com o meu dinheiro, porque eu não estava recebendo. Por causa disso, fiz um acordo e eles me liberaram”, esclareceu.

Em seguida, foi contratado pelo Atlético-PR para compor a equipe sub-18, mas não teve sequência devido a atrito com a diretoria. “O Dagoberto Santos (que trabalhou no Santos na época de Marcelo Teixeira e retornou este ano ao clube da Baixada) foi quem me levou para Santos e Atlético-PR. Cheguei para o sub-18, estava bem e quatro meses depois o Dagoberto saiu do clube. A partir daquele momento, com o Antônio Lopes na função, as coisas começaram a ficar difíceis. Ele chegou a me chamar, queria me emprestar para a Série B, bati de frente e disse que não. Ele me afastou, treinei separado e não renovamos o contrato”.

Menos de um mês depois, no início de setembro de 2013, acertou com o Cruzeiro e teria a oportunidade de se preparar para a disputa da Copa São Paulo de Futebol Júnior no ano seguinte. Tudo parecia correr bem até que Jean foi avisado deuma proposta do West Ham, da Inglaterra. Não pensou duas vezes: jogou tudo para o alto. A empolgação logo se transformou em decepção ao ser informado que ainda teria de passar por testes.

Jean Chera aos 16 anos no Santos
Divulgação
Jean Chera aos 16 anos no Santos

“Eu me arrependo até hoje. Quem quis sair fui eu. No fim do ano, pegamos férias de uma semana e nessa semana começou a me ligar um cara da Inglaterra dizendo que havia uma proposta do West Ham e eu tinha que sair (do Cruzeiro), porque era negócio certo. Falaram e eu acreditei. Os meus empresários quase me mataram. Passou a semana, o cara me ligou e me disse que o pessoal do clube queria que eu ficasse um período para teste. ‘Está louco? Por que não falou isso antes? Eu não vou mais’, respondi. Saí do Cruzeiro por causa do negócio da Inglaterra. Foi um erro meu”, lamentou.

Depois do Cruzeiro, Jean Chera passou por Oeste, no interior paulista, CS Universitatea Craiova, na Romênia, Pinheiros, em Santa Catarina e, por fim, Paniliakos, na Grécia. Neste último fez sete jogos e voltou para o Brasil depois de o clube não cumprir a determinação da federação do país e cair para a terceira divisão por não quitar os vencimentos dos funcionários. No retorno, já havia combinado de conversar com o Cuiabá e acertar o novo contrato.

“Ficou acertado com o presidente que quando eu chegasse aqui conversaríamos. Cheguei aqui em Cuiabá e fechamos tudo. As pessoas que não conhecem acham que é clube pequeno, mas a estrutura que se tem aqui é muito melhor até que a de alguns clubes que estão na Série A. Mas tem coisas que o dinheiro não paga. Eu tinha propostas de clubes da Série B e uma da Série A, mas o olho no olho fez diferença. Por ser perto de casa também fez diferença”, afirmou.

Mesmo com o estereótipo de eterna promessa, o meia garante que já não se sente incomodado e aprendeu a lidar com as comparações e críticas. “Eu nunca falei que queria ser o novo Neymar ou o Pelé branco. Foi a mídia quem me deu esse rótulo. Agora quando eu vejo esse tipo de coisa, dou risada”, disse.

Leia tudo sobre: Jean CheraCuiabáSantosCruzeiroFlamengoOesteAtlético-PRigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas