Clube paulista não aceita emprestar o atacante ao campeão brasileiro e ainda arcar com metade do salário dele

As negociações entre Santos  e Cruzeiro  envolvendo Leandro Damião estão avançadas, mas ganharam um novo capítulo. Representantes do grupo de investimentos Doyen Sports, que levou o centroavante à Vila Belmiro, estão em Belo Horizonte em busca de um acerto. Porém, Modesto Roma Jr, eleito presidente do Santos no último sábado, não pretende sair de mãos abanando, embora gosta da ideia de emprestar o atleta.

Mercado da bola: veja as transferências que movimentam o futebol brasileiro

A primeira controvérsia ficou explícita na segunda-feira, quando Modesto não se mostrou favorável à ideia inicial de aceitar o negócio com a condição de que o Santos arque com metade do salário do jogador, que se aproxima dos R$ 700 mil mensais. "Eu gostaria de pagar só 10% do salário do Messi, vamos ver se o Barcelona aceita", ironizou o novo mandatário, na ocasião.

Palmeiras fica perto de lateral Lucas, ex-Botafogo, e se interessa por Arouca

Em busca de alternativas para o sucesso do negócio, o Santos deve solicitar o envolvimento de dois jogadores do elenco mineiro: Dagoberto e Pedro Ken. O primeiro não se contenta com a posição de reserva e já deixou claro que prefere sair. Já o segundo foi emprestado para Avaí, Vitória e Vasco nos últimos três anos, e a saída não deve ser problema.

"Tem negociação com o Damião, que é um centroavante. E Fred também tem, mas a negociação está mais adiantada com o Leandro Damião. Ainda não assinamos, só estará tudo certo depois que assinarmos", disse o vice-presidente do Cruzeiro, Márcio Rodrigues, em entrevista à TV Alterosa , nesta segunda-feira.

A Raposa quer agilizar as negociações porque teve de devolver Marcelo Moreno ao Grêmio e perdeu Borges. Além disso, apesar do interesse, o salário de Fred assustou a diretoria mineira, por isso as tratativas com Leandro Damião são encaradas como prioridade.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.