Treinador aceitou a manutenção do salário por gratidão ao presidente Peter Siemsen, que peitou a Unimed ao contratá-lo

O novo diretor executivo do departamento de futebol do Fluminense , Fernando Simone, vai conceder uma entrevista coletiva nesta terça-feira, nas Laranjeiras, para anunciar a permanência do técnico Cristóvão Borges à frente do elenco tricolor visando à próxima temporada. As duas partes chegaram a um acordo na tarde do último sábado, quando o treinador abriu mão de receber um aumento imediato, aceitou a manutenção do atual salário, porém, com cláusulas que permitem alguns bônus por produtividade.

Mercado da bola: veja as transferências que movimentam o futebol brasileiro

O presidente Peter Siemsen tratou diretamente com Cristóvão Borges sobre esta renovação de contrato e o treinador aceitou a manutenção do salário por gratidão a tudo que o mandatário fez por ele. Foi Peter quem bancou a contratação de Cristóvão Borges quando o empresário Celso Barros, presidente da Unimed, exigia a chegada de um treinador mais experiente. Além disso, Celso deixou claro que não pagaria um centavo do salário de Cristóvão, o que vinha fazendo com todos os treinadores em um passado recente.

Volante Valencia comunica que não permanecerá no Fluminense em 2015

Cristóvão Borges em treino do Fluminense
Nelson Perez/Fluminense FC
Cristóvão Borges em treino do Fluminense

Sem a verba da Unimed, Peter teve que arrumar a sua fórmula para honrar o acordo com Cristóvão. Foi aí que começou a sofrer a pressão de patrocinadores para trocar o treinador em momentos que o time não vinha correspondendo em campo. Em um deles, no fim do primeiro turno, o presidente do Fluminense quase cedeu após derrotas para Botafogo e Chapecoense, que estavam na zona de rebaixamento. Porém, recuou e decidiu manter Cristóvão, que ficou ciente de todas essas movimentações ao longo da temporada.

Inclusive a manutenção de Cristóvão para 2015, que era tratada como prioridade por Peter, foi um dos assuntos que aumentou o desejo de Celso Barros de deixar as Laranjeiras. Cristóvão Borges assumiu o Fluminense logo depois da eliminação nas semifinais do Campeonato Carioca. Teve um aproveitamento de 54%, com 21 vitórias, 10 empates e 14 derrotas. Neste período viveu momentos muito críticos, como após a humilhante goleada de 5 a 2 sofrida para o América-RN, que causou a eliminação precoce na Copa do Brasil. O Tricolor havia vencido na ida por 3 a 0.

Com a permanência de Cristóvão sacramentada, o Fluminense vai começar a trabalhar na formação do elenco para a próxima temporada e a diretoria vai sofrer para honrar alguns dos contratos que estão em vigor e que eram pagos em boa parte pela Unimed, como os casos dos meias Darío Conca e Wágner e dos atacantes Rafael Sobis e Fred, por exemplo. A maioria dos jogadores deverá deixar as Laranjeiras. Rafael Sobis tem proposta do futebol mexicano e Fred está cada vez mais sem clima com a atual diretoria após críticas públicas.

Sobre reforços, a ideia é procurar jogadores que não custem muito dinheiro com a compra de direitos federativos e que aceitem se enquadrar na realidade salarial que Peter vai tentar impor ao departamento de futebol, acostumado com as altas somas pagas pela Unimed e pela contratação de reforços de ponta até mesmo no mercado internacional.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.