Requerimento do candidato Orlando Rollo para que as cédulas de papel fossem usadas como sistema de votação, substituindo a configuração digital, foi negado

Seguranças retiram urna após denúncia de fraude nas eleições do Santos
Ricardo Saibun/ Gazeta Press
Seguranças retiram urna após denúncia de fraude nas eleições do Santos

De forma definitiva, o Santos pode confirmar que as eleições deste sábado vão acontecer por meio de urnas eletrônicas. Nesta quarta-feira, o Juiz Dario Gayoso Júnior, da 8ª Vara Cível de Santos, não concebeu o requerimento feito por Orlando Rollo para que as cédulas de papel fossem usadas como sistema de votação, substituindo a configuração digital.

Leia mais: Além de jogadores, funcionários sofrem com salários atrasados no Santos

No despacho, o Juiz define que "não há fundamento para concessão de tutela antecipada", diz ser "duvidosa a legitimidade do autor em pleitear providências no processo eleitoral, porque ele não é candidato, mas um simples coordenador de campanha". Entre outras coisas, lembra que "o Conselho Deliberativo tem autonomia e soberania para conduzir o processo eleitoral" e finaliza descrevendo que "a pretensão está embasada em suposições".

O candidato à presidência do Santos Orlando Rollo, representante da chapa ‘Pense Novo Santos’, foi contra a decisão de utilizar urnas eletrônicas na eleição deste sábado, que vai definir o mandatário santista para o próximo triênio. Durante o pleito de sábado passado, depois da falha no sistema dos equipamentos e de toda a confusão envolvendo o conselheiro situacionista José Ananias da Silva já com as cédulas de papel, a votação foi anulada e suspensa. Na ocasião, se dizendo envergonhado, Rollo foi incisivo ao dizer que não aceitaria as urnas eletrônicas novamente.

"Essas urnas, pode esquecer. Serão defenestradas. Vai ser voto de papel", disse, em frente a Vila Belmiro, após a confirmação de que haveria um novo pleito. Apesar disso, o clamor de Rollo recebeu coro apenas de Modesto Roma Jr., candidato pela chapa Santos Gigante. Fernando Silva, José Carlos Peres e Nabil Khaznadar foram favoráveis ao conselho do presidente da Assembleia Paulo Schiff e aceitaram o uso do meio eletrônico.

Sendo assim, Orlando Rollo, através de seu coordenador de chapa, Miguel Archanjo Rollo Junior, recorreu à Justiça para que as cédulas de papel fossem adotadas como sistema de votação.

"Sou favorável a urna eletrônica, não sou contra a modernidade, mas o sistema está totalmente condenado. Na fase de testes, nossos partidários já alegaram que o problema de sábado já poderia ocorrer. Eles atestaram isso e constaram na ata. O que acontece é que errar uma vez, tudo bem, duas vezes é burrice demais. Vamos lidar com seis mil pessoas, estamos temerosos que algo de pior possa acontecer. O sistema é o mesmo, então, a probabilidade é enorme. Fomos prejudicados já no sábado, as outras chapas não estão preocupadas. Vamos requerer as cédulas de papel na Justiça. O senhor Paulo Schiff está de brincadeira", disse Orlando Rollo, após a reunião da última segunda-feira, que definiu as diretrizes do pleito.

Já a assessoria de Modesto Roma Jr. explicou que o candidato também não aceitou as urnas eletrônicas para este sábado e segue contra a ideia, porém, não tomara medidas judiciais, pois entende que o associado já foi muito prejudicado com o que ocorreu na semana passada, quando o pleito precisou ser anulado.

O Santos já anunciou que a votação deste sábado teve o local alterado e, ao invés de ser realizada no tradicional Salão de Mármore da Vila Belmiro, ocorrerá no Ginásio Poliesportivo do clube, que também fica dentro da Vila Belmiro. O pleito será aberto as 10 horas e será encerrado as 18 horas, para em seguida iniciar-se a apuração dos votos. Caso um novo problema impeça a definição de quem sucederá Odílio Rodrigues, Paulo Schiff, presidente do Conselho Deliberativo, tem seu mandato prorrogado, assume o clube dia 1º de janeiro, mas, com 30 dias para convocar uma nova Assembleia.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.